Siga-nos

Perfil

Expresso

Robotizando

Os robôs vão à escola

A educação em Portugal está a mudar. Não estamos a falar dos resultados do PISA, mas do extraordinário proliferar, por todo o país, desde há 10 anos, de clubes de robótica ou só mesmo de actividades com robôs em escolas de todos os níveis de ensino.

Jaime Rei

A SPR e os seus membros do Ensino Superior, com grande apoio do Ciência Viva, deram um empurrão, através dos Festivais Nacionais de Robótica e de projectos e actividades diversas. Mas depois foram as escolas que voaram com as suas asas e envolveram alunos e professores numa aventura em que o céu é o limite. Fica aqui um dos melhores exemplos: o Clube de Robótica do Agrupamento de Escolas São Gonçalo em Torres Vedras.

Tudo começou em 2007, na disciplina de Educação Tecnológica, sob minha orientação, onde vários alunos aprenderam programação.  Um grupo de alunos (2 equipas) decidiu participar no Robótica 2007 - Festival Nacional de Robótica. Os resultados desta participação foram excelentes e alcançaram o terceiro e sexto lugar na categoria de Busca e Salvamento Júnior, escalão dos 15 aos 19 anos. O terceiro lugar deu-lhes acesso ao RoboCup 2007 (Campeonato do Mundo de Robótica), que decorreu nos Estados Unidos da América, e aí ficaram classificados em 10º lugar. Esta primeira participação abriu as portas a um projecto que hoje já faz parte do Projecto Educativo de Escola, e assim foi criado o Clube de Robótica do Agrupamento de Escolas de São Gonçalo, actividade extra-curricular que, pela grande adesão de alunos, implicou a necessidade de separar as actividades em várias modalidades, nomeadamente Dança Robótica, Futebol Robótico e Busca e Salvamento, consequentemente formando uma equipa de professores com diferentes formações, tendo como objectivo optimizar os resultados, nomeadamente na modalidade de Dança Robótica. Os resultados têm sido excelentes e superado todas as nossas expectativas. Nas competições em várias modalidades, entre muitos  lugares no pódio, temos alcançado o titulo de campeões nacionais desde 2008, no RoboCup 2009 sagrámo-nos campeões mundiais na modalidade de Busca e Salvamento (Super Team, escalão dos 8 aos 14 anos) e, no RoboCup 2010, conquistámos o titulo de campeões mundiais na modalidade de Dança, escalão dos 8 aos 14 anos, sendo ainda campeões mundiais na mesma modalidade em Super Team.  É inquestionável que estes resultados são fruto do trabalho de muitas horas de dedicação a este projecto, desenvolvidas em actividades extra-curriculares por este grupo de alunos e professores. É certo também que estes jovens têm trabalhado neste projecto não com o objectivo de vencer campeonatos. Os Campeonatos são o veículo de demonstração do trabalho desenvolvido.   As actividades do clube têm procurado estimular, nos alunos envolvidos, independentemente da idade e do ano de escolaridade, o interesse pela execução de actividades experimentais, onde se promove a investigação na procura das melhores soluções para o desempenho dos robôs nas várias modalidades. Tentamos assim estar sempre a melhorar e daí também a razão do nosso sucesso.Como coordenador deste clube composto em média anual de 50 alunos, 5 professores e uma psicóloga, o feedback que tenho é que o projecto é fascinante e o que nos leva a nós, professores, a despender tanto tempo nele é o empenho que estes alunos mostram e os resultados que atingem.  Hoje em dia a Robótica é algo cada vez mais importante e os alunos passam a ter uma visão do futuro completamente diferente: aprendem a programar, elaboram software e têm uma noção do que é uma máquina programada.Além disso este projecto leva os alunos a desenvolverem as suas capacidades cognitivas, a trabalhar em equipa, a estarem concentrados no que estão a fazer. É uma experiência importante para a sua vivência.  Jaime Rei

Professor do Agrupamento de Escolas São Gonçalo em Torres Vedras 

O conteúdo deste blogue é da inteira responsabilidade da Sociedade Portuguesa de Robótica.