Siga-nos

Perfil

Expresso

O Vento nas Velas

Flores de Cerejeira

Flores de cerejeira (Belém, Lisboa)

A flor de cerejeira é um dos símbolos do Japão. Na Primavera, respira-se neste país uma atmosfera de deslumbramento, quando as cerejeiras florescem em parques e jardins. Os japoneses vão admirar a sua beleza e fazer piqueniques à sombra dos seus ramos. Existe mesmo uma palavra em japonês para designar a contemplação das flores de cerejeira: hanami.

Leonilda Alfarrobinha

Poucos portugueses sabem que existe em Lisboa, à beira do Tejo, um jardim com mais de uma centena de cerejeiras japonesas que foi projectado para comemorar a chegada dos portugueses ao Japão em 1543 e a amizade e relacionamento entre os dois países. É verdade. Ao lado do Museu de Arte Popular, perto do Padrão dos Descobrimentos, pode ver-se um jardim de cerejeiras que, neste momento, estão em flor. São árvores ainda muito jovens que foram plantadas em Dezembro de 2008, floriram pela primeira vez na Primavera de 2009 e estão agora, de novo, a dar um ar da sua graça. Quase todas elas pertencem a uma variedade denominada Shimizu. Em japonês, esta palavra significa "água límpida". Bonito, não é? As flores são brancas mas, quando estão em botão, têm uma leve cor rosada muito delicada.

O projecto deste jardim foi lançado pela Embaixada do Japão e executado com a colaboração da Associação de Amizade Portugal-Japão. As despesas foram cobertas por um subsídio concedido pela Fundação Expo Osaka 70 e pela comparticipação de várias outras instituições e empresas portuguesas e japonesas.

Neste ano de 2010, em que se celebram os 150 anos da assinatura do Tratado de Paz, Amizade e Comércio entre o Japão e Portugal, este jardim de cerejeiras japonesas, à beira do rio Tejo, adquire um significado ainda maior de uma profunda vontade de aproximação das duas margens do Mundo, o Ocidente e o Oriente.

Se puderem deslocar-se até Belém, para fazer uma pausa no stress diário e sentir a energia cósmica que emana daquele espaço privilegiado, não se esqueçam de ir, por uns momentos, contemplar as flores de cerejeira. E tenham em conta que são árvores ainda muito jovens e sensíveis. Façam-lhes um mimo: um olhar carinhoso, uma garrafa de água, um afago no tronco. Elas ficarão agradecidas. Pela minha parte, noutro dia, dediquei-lhes dois poemas haiku, à maneira japonesa.

cerejeiras em flor -



almoçando no jardim



melros e pardais







à beira do Tejo



as cerejeiras em flor -



bom dia, Japão!











Coordenação



Cristina Castel-Branco e João Paulo Oliveira e Costa



Assistência Tecnica



Inês Pinto Coelho e Margarida Paes



Colaboradores



Alexandra Curvelo, Ana Fernandes Pinto, Leonilda Alfarrobinha, Pedro Canavarro, Ayano Shinzato D. Pereira