Siga-nos

Perfil

Expresso

A Europa desalinhada

Guerreiros privados na Somália?

"Esperança de segurança e paz na Somália." É com esta estratégia de choque que uma empresa de segurança alemã anunciou a intenção de enviar uma centena de mercenários, entre os quais antigos soldados do exército alemão, para a Somália.

Pedro Cordeiro

Pedro Cordeiro

Editor da Secção Internacional

Clique para saber tudo o que se passa na Europa

Programa do contrato exclusivo celebrado com o chefe do clã, e autoproclamado presidente, Abdinur Darman: protecção deste e também do conselho estratégico e execução de "medidas necessárias para restabelecer a segurança e a paz". "Os sinais de alarme dispararam mesmo nas mais altas esferas do Governo", escreve o Süddeutsche Zeitung. Berlim quer analisar mais atentamente o que o Asgaard - Grupo de Segurança alemão tenciona fazer naquele país agitado por ataques de piratas e a legalidade do envolvimento dos antigos soldados. "O aumento dos conflitos armados em todo o mundo acompanha a privatização da guerra", refere o diário de Munique, que estima em 250 milhões de euros o mercado anual da segurança privada. O grupo de segurança Asgaard fez saber, entretanto, que irá aguardar que a ONU reconheça Abdinur Darman antes de enviar o seu pessoal.