Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

Sementes de revolta social

Vasco Pulido Valente propõe 14 medidas - catorze - para nos salvar da crise. Trama-me a vida, mas percebe-se que é um exercício sério. Qualquer outra pessoa, sabendo que nenhum Governo lhe daria ouvidos, teria feito bluff e proposto pelo menos uma medida que prejudicasse directa e exclusivamente a sua classe, como, no caso concreto, a redução das pensões ou o aumento da idade de reforma para os professores universitários. A presunção que tomou conta dos líderes de opinião não servirá para nada, mas não me lembro em vida de um momento tão propício para traçarmos um retrato psicológico das nossas elites.

Vasco M. Barreto

Medidas de Vasco Pulido Valente para a salvação do país (no Público):

1.º Reduzir o número de feriados. Quatro chegam: o Natal, o Ano Novo, o Dia de Portugal e a Sexta-feira Santa.

2.º Fechar empresas públicas: as que são inteiramente substituíveis (por exemplo, a EPUL e a RTP) e as que perdem dinheiro sem qualquer resultado relevante ou benéfico (a lista é infinita).

3.º Fechar as fundações e pseudofundações que o Governo sustenta, quer directamente (ou seja, do centro), quer através das câmaras.

4.º Vender as propriedades do Estado que não servem um interesse nacional evidente (quartéis, prédios, matas, florestas, por aí fora).

5.º Vender os submarinos e outro armamento inútil ou excessivo.

6.º Demolir e vender o autódromo do Estoril, o autódromo do Algarve e meia dúzia de estádios deficitários, sem indemnização a particulares.



7.º Suspender imediatamente os grandes projectos (o novo aeroporto, o TGV, a TTT). 2.º Não construir um único quilómetro de auto-estrada.

8.º Proibir a contratação de mais funcionários públicos.

9.º Eliminar serviços sem objecto ou mesmo nocivos (por exemplo, o Instituto do Livro).

10.º Congelar as promoções no funcionalismo, pelo menos, durante 5 anos.

11.º Acabar com o chamado "subsídio de férias".

12.º Pôr um limite legal à despesa do Estado.

13.º Aumentar o IVA dois por cento.

14.º Regular a banca estrita e rigorosamente.