Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

A direita after hours

Cavaco Silva e o PSD não têm pachorra para ser de direita. Só quando largam o serviço e vão para casa é que assumem as suas convicções políticas. Até lá, no trabalho, 'tá quieto: não misturam as coisas.

Inês Teotónio Pereira (www.expresso.pt)

Passos Coelho sempre foi contra o aumento de imposto. Sempre. Mas só ao jantar, quando está a ver o telejornal, indigna-se com qualquer aumento de impostos que lhe apareça à frente. É contra. Ele acha que a classe média não pode ser sufocada com mais carga fiscal, que as empresas têm de ser aliviadas e que o Estado tem de encolher. Mas isso, é lá no sofá da sua casa. Onde é muita liberal. Agora, quando chega ao serviço, ali na São Caetano à Lapa, valores mais altos se impõem àqueles que ele defende em casa . Porque esses são pessoais. E o líder do PSD não mistura trabalho com convicções pessoais. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Cavaco Silva pensa o mesmo. É sabido que o nosso PR é contra o casamento entre homossexuais. Sempre foi, não é de agora. Quando foi eleito já era contra. Da mesma forma que toda a gente sabe que Mário Soares é republicano, laico e socialista desde o dia em que lhe nasceu o primeiro dente, também todos sabemos que Cavaco Silva é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo desde que o conhecemos. Mas promulgou a lei. Porquê? Porque mudou de ideias? Porque corria risco de vida se não a assinasse? Porque os alemães mandaram? Porque lhe apeteceu e ninguém tem nada a ver com isso? Não. Ele até está chateado com ele próprio. Ele até deve ter ido para casa, logo a seguir a assinar a lei, queixar-se da lei que assinou e deste país que não tem princípios onde até se aprovou o casamento entre homossexuais. Esses malandros. Onde é que já se viu isto?! Hein! Cavaco Silva explicou porque é que assinou: é que "a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais", disse ele. Não, senhor Presidente, a ética está na coerência das nossas convicções, principalmente quando se tem responsabilidades. Não é só ao jantar. É no serviço, também.