Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

A cantiga do ataque

Se a dívida pública portuguesa está a ser vítima de um ataque especulativo, por que razão os PPR do Estado fogem da dívida pública portguesa?

Adolfo Mesquita Nunes (www.expresso.pt)

Pelo Miguel Noronha, n'O Insurgente, chego à revelação do Diário Económico: PPR do Estado fogem da dívida pública portuguesa.  

Conforme resulta do que referi no Delito de Opinião, esta notícia só pode surpreender quem se deixou levar pela irresponsável e divertida cantiga do Governo acerca do ataque especulativo à nossa dívida pública.

Cantiga porque essa versão dos acontecimentos carece de uma demonstração que o Governo se vem escusando a fazer: quem ataca?, porquê?, com que meios?, para quê?, porquê só Portugal?, etc.

Irresponsável porque ela transmite a impressão, formando convicção, de que o Governo não só não está consciente dos trabalhos que tem pela frente como nem sequer tem a presença de espírito para avaliar a situação de forma a encontrar as melhores soluções. Na verdade, ao continuar a insistir nesta tese, o Governo transmite para o exterior uma imagem de irresponsabilidade.

Divertida porque, afinal de contas, e se levarmos a sério a cantiga, temos que é o próprio Estado, através do Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social que é parte activa nesse ataque porque, sabendo que tudo não passa de um ataque sem fundo de realidade, actua como se este fosse bem fundamentado livrando-se dos activos que detém.