Siga-nos

Perfil

Expresso

100 reféns

Seis vantagens da derrota com a Espanha

Já fomos. Os Navegadores foram de vela. A esta hora a única hipótese de continuar no Mundial é numa Playstation perto de si. Mas evitaram-se grandes males. Quer saber quais?

Tiago Mesquita (www.expresso.pt)

1 - Quase toda a gente tem um familiar, amigo ou vizinho que adorava andar agarrado à Vuvuzela em dias de jogo. Alguns punham-na a carregar ao lado do telemóvel durante a noite não fosse faltar a bateria a meio do dia. Quando ouviam falar em Selecção metiam a dita na boca e sopravam como se tocassem as velas da Nau rumo ao Cabo das tormentas. Agora alegrem-se porque em princípio isso acabou. Não as tormentas mas o barulho. Tem vizinhos brasileiros? Lamento. Aguente só mais um bocadinho.

2 - Muitas pessoas levavam bastante a sério a coreografia inventada pelo Macdonalds e promovida pelo jogador Simão Sabrosa. No jogo com a Coreia do Norte houve quem derretesse sete menus de bacon em quarenta minutos. No fim do jogo havia pessoas a deitar ketchup por tudo o que era cavidade corporal. Também isso acabou. Os médicos de família e a saúde dos portugueses agradecem. Os nutricionistas nem por isso.

3 - Acabaram os dias inteiros de televisão dedicados à selecção. Desde as 5 da manhã até as 4:59 do dia seguinte tudo girava em torno das peúgas do Cristiano, das extensões do Danny, das palmilhas do Deco e do amaciador de cabelo do Miguel Veloso.

4 - Como se sabe os jogadores estão a ser pagos diariamente. Isto para além dos prémios de jogo que recebem. Se passassem aos quartos-de-final imaginem o rombo. A Federação era menina para pagar uns 30€ ou mais a cada um só pelo feito (50 mil euros na verdade). Assim, e como isto não anda nada famoso poupa-se algum. Dá para os navegadores comerem qualquer coisita e atestarem a traineira no aeroporto. Uma sandes mista e um galão. Nada de croissants para não se apresentarem nos respectivos clubes com porte de leão-marinho.

5 - Confesso que estou farto de escrever sobre a Selecção. E provavelmente estarão alguns fartos de ler o que escrevo sobre a selecção. Eu compreendo. Aliás toda a gente escreve sobre a selecção. Admira-me o Padre Frederico não ter uma coluna sobre a Selecção num diário desportivo. Também isto acabou. Falo por mim claro que amanhã se Deus me der saúde estarei a falar de Queiroz e Ronaldo e a contar porque tudo isto aconteceu. O Padre Frederico que faça lá o que entender que já não é nenhum garoto.

6 - Agora que a nossa rapaziada já fez aquilo a que nos habitou, ou seja, nada, está na altura de escolher uma Selecção daquelas a sério para apoiar no Mundial e, quem sabe, sentir o sabor da vitória. Eu cá já escolhi: sou argentino desde pequenito.