Siga-nos

Perfil

Expresso

100 reféns

Férias de luxo de Relvas e Dias Loureiro

Tiago Mesquita

Em circunstâncias normais, as viagens privadas que os políticos ou ex-políticos fazem (para nos darem um bocadinho de descanso) são um problema deles. Num cenário diferente do actual, ser-me-ia completamente indiferente se o ministro Relvas escolhia ir passear a tanga ao Brasil ou brincar pelado com os pinguins na Antártida. Se o passado do ex-administrador da famigerada SLN - Dias Loureiro - não tivesse directamente a ver com um presente envenenado e o futuro condenado (nosso, entenda-se), não perderia um minuto a pensar neste assunto.

Acontece, porém, que Relvas é a cara desta espécie de governo que nos impõe sacrifícios diariamente e Dias Loureiro é uma das faces visadas na mega-fraude do BPN - via SLN - escândalo que já custou aos portugueses a módica quantia de 3405 milhões de euros (custo estimado até ao final de 2102), custo para os contribuintes que pode atingir 6509 milhões de euros, mais juros e contingências. Coisa pouca. Ora nestas circunstâncias ler notícias como a que se segue aumenta exponencialmente a vontade de fretar um avião (conduzido por um primo do capitão Schettino) e enviá-los para o triângulo das Bermudas.

"O ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, foi passar os últimos dias do ano ao Rio de Janeiro, Brasil, e esteve num dos mais luxuosos hotéis da "Cidade Maravilhosa", o emblemático Copacabana Palace. Mas não foi o único. O ex-administrador da SLN, holding que era detentora de 100% do BPN - Banco Português de Negócios, Dias Loureiro, e o ex-ministro das Cidades, Administração Local, Habitação e Desenvolvimento Regional, José Luís Arnaut, também lá estiveram." - jornal i

A diária no Copacabana Palace, segundo o jornal i, "custa um mínimo de 600 euros e o preço médio por dormida é de 800 euros, sem incluir taxas de serviços de hotel ou pequeno-almoço - e a preços de balcão. Uma refeição no hotel pode custar bem mais que a pernoita e os preços sobem em época alta, como acontece nos períodos de Natal e Ano Novo."

Numa época em que apenas falta ao ministro Gaspar lembrar-se de pagar os subsídios com vouchers de 'A Vida é Bela', em que os portugueses contam tostões antecipando o incerto, em que muitos hotéis estão de portas fechadas por falta de clientes (16% dos hotéis portugueses encerraram na época baixa. Só no Algarve, de acordo com dados da Associação da Hotelaria de Portugal, quase metade dos hotéis (48%) fecharam esta estação por falta de turistas), o ministro Relvas não se coibiu de laurear a pevide no Brasil, à grande e à Sócrates, demonstrando uma total falta de decoro, bom senso e sensibilidade. Foi festejar o quê, pergunto?

Meus senhores, o sacrifício maior exigido aos portugueses é mesmo termos de continuar a alimentar-vos. É uma vergonha.

Na página oficial do 100 Reféns no Facebook juntam-se pessoas que gostam e que não gostam, que odeiam e que adoram, que veneram e que detestam, mas que não são indiferentes a este blogue do Expresso. Dê um passo e junte-se a nós. Clique no link para aceder à página do 100 Reféns no Facebook.