Siga-nos

Perfil

Expresso

100 reféns

As televisões parecem beatas histéricas

Ainda o Papa não tinha aterrado e já se antevia uma onda de histeria colectiva nos canais televisivos. Quem assiste já deita Papa pelo nariz, como fazem os miúdos às vezes com a cérelac.

Tiago Mesquita (www.expresso.pt)

Se restassem dúvidas de que o nosso jornalismo televisivo é um bocadinho "ligeiro" o dia da chegada de Bento XVI ao nosso país foi o do juízo final para as nossas estações televisivas de informação, ou melhor, da perda total de juízo. Parece que o pisar dos Prada de Sua Santidade em solo luso foi o sinal verde para a imbecilidade tomar livremente conta de grande parte da comunicação social.

Dezenas e dezenas de horas de directos transformam-se em muitas horas de desespero para os que queriam aceder a alguma informação que fosse um bocadinho além da ementa do pequeno-almoço de Bento XVI ou o nome da fábrica de onde vieram as almofadas onde sua Santidade vai descansar a cútis divina.

O exagero é tal que não sei o que irão fazer quando o Papa finalmente levantar voo, salvo seja, rumo a Itália. Provavelmente vão ter de começar a falar na subida dos impostos que vai afectar e de que maneira a vida de todos os portugueses. Mas por enquanto vamos mas é indagar se o Papa dorme de cuecas, boxers ou é adepto do freestyle porque isso é que é notícia e de facto pode mudar a forma como as pessoas vêem o mundo.

Um dos repórteres durante o directo que cobria a missa no Terreiro do Paço descreveu o que via com tal fervor e emoção que eu até pensei que terminada a cerimonia o senhor fosse a casa despedir-se da mulher e dos filhos e só parasse no Seminário.

Vítor Bandarra na TVI24 dizia em directo de Fátima "o Papa vai tomar a refeição na Casa de Nossa Senhora do Carmo ... carnes fumadas da sua Alemanha de que ele gosta tanto" Não sei bem qual o interesse jornalístico desta informação. Mesmo para os católicos mais acérrimos, o que é que poderá interessar o que o Papa irá comer? Se tivesse dito que ia comer rodízio à brasileira para os fiéis era igual ao litro, não estavam lá para ver, nem iam sentir sequer o cheiro da farofa.

Ainda a digerir as carninhas do Vítor Bandarra vejo uma senhora dos seus 60 anos aos berros como se viesse aí o Armagedão e estivesse encarregada de avisar todo o mundo cristão: "olé Papa olé... olé Papa olé ...olé Papa olé...olá Papa olá olé... Só lhe faltava uma tocha vermelha na mão e desatar a correr atrás do papamóvel.

Um senhor veio do Canadá de propósito para ver o Papa mas quando lhe perguntaram o que mais admirava em Joseph Ratzinger ele disse que não conhecia: "Vim a Portugal só mesmo para ver o Papa".

A propósito de calinadas, e não querendo ser mais papista que o Papa, José Sócrates não quis ficar atrás e passou a tarde a falar de "Sua Eminência". Não sei bem a quem se referia, mas espero que não fosse a "Sua Santidade" o Papa Bento XVI. Era mau demais constatar que o Primeiro-Ministro não faz a menor ideia de como se deve dirigir ao líder da Igreja Católica depois de paralisar todo um país para o poder ir receber.