Siga-nos

Perfil

Expresso

Flagrante deleite

Tentar atropelar a namorada e falhar a foto

Esta semana numa reunião fiquei desarmado qu ando me disseram, por piada, que eu há uns bons 20 anos tinha perseguido de carro por cima do passeio    uma  namorada, enquanto ela fugia com um poeta (um aderente ao islamismo com camisas sem colarinho e barba de 3 dias). Estão a ver o estilo!



Na altura andava fixado nos filmes do André Téchiné e achei que uma forma   piegas de mostrar a minha dor era atirar o MGB-GT contra os idiotas. A manobra controlada permitiu uma take perfeita, com efeitos de chuva e a participação de um polícia como actor secundário que apitou e me    imobiliz  ou    em pleno Cais Sodré  , mandando-me embora solidário com a causa masculina. 



Toda a gente na reunião ficou curiosa   para  saber mais. Logo: o tema era aliciante já que jornalistas se interessavam pela história.


Revelo o desfecho: passadas horas estava a cear com a "vítima" enquanto o poeta recolhia para fazer mais um poema indecifrável. Vista à distância é uma história divertida e que   gosto de recordar com essa velha amiga  entre gargalhadas.



Vem isto a despropósito   do  seguinte ensaio: que foto poderia resumir toda esta cena, caso a quisesse contar por imagem? Difícil:  .. deveria ser uma fotografia   que mostrasse  ao mesmo tempo o local, a expressão assustada dos perseguidos, a minha expressão   incontrolada , o carro e as gotas de água da chuva, o polícia a intervir, enfim: uma fotografia que contasse por si a história. Com técnica, enquadramento justo, e luz de cinema   para impressionar. Uma fotografia praticamente impossível de fazer em reportagem.



Cada um de nós tem uma imagem  feita de um acontecimento, e muitas vezes é difícil para o fotógrafo sintetizar toda a história num só momento.
 
As fotografias para serem partilhadas necessitam de um emissor e de um receptor. Se o receptor faz ruído, a comunicação vai-se. Já acontecia no Pátio das Cantigas!

Daí a choramingueira habitual dos fotógrafos  de  que são uns incompreendidos e as críticas de quem olha e não consegue ver.



A angústia do fotógrafo perante o instante é que as imagens da nossa vida ficam quase sempre e só na nossa cabeça:  nunca as vimos, raramente as tirámos, mas estão dentro de nós. E são sempre as eleitas.   
 
O melhor é o que não vemos e imaginamos, como   nas falhadas histórias de amor.


 
Coordenador-geral de fotografia do EXPRESSO