Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Um flop chamado Manuel Alegre

Candidatura de Manuel Alegre despertou tanto interesse como o campeonato de curling. Ontem, as TV secundarizaram o anúncio. Para os jornais de hoje, Alegre é uma nota de rodapé.

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

I. Andei à procura pelos três telejornais, mas não encontrei o anúncio açoriano de Manuel Alegre. Ou seja, as TV não fizeram um daquelas directos simultâneos. E esse é o principal indicador da escala de Richter mediática de um dado evento. Por outras palavras, o anúncio de Manuel Alegre foi um flop mediático. Coisa esperada, diga-se: o bardo coimbrão desperta, de facto, pouco interesse. Esta tendência passou para os jornais de hoje. Para o "Público" e para o "i", Manuel Alegre é um actor secundário.

II. Politicamente, é evidente que Manuel Alegre não tem o apoio entusiasta do PS. Mais cedo ou mais tarde, os senhores do Rato vão anunciar o seu apoio a Alegre. Mas será sempre um apoio sem chama, e, acima de tudo, um apoio que já vem tarde. Entre Janeiro e Maio, o PS não deu qualquer apoio a Manuel Alegre. Desta forma, o PS fragilizou Manuel Alegre. Esta fragilidade de Alegre é evidente: os media desprezam-no, e Fernando Nobre pensa que pode ficar com os votos do PS, dado que Manuel Alegre é visto como o "candidato" do BE.

III. Fernando Nobre representará o papel de 'Alegre de 2006' contra o 'Alegre de 2011'?