Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Acabar com feriados

Em alturas de crise, os países têm de mudar. Portugal tem feriados e 'pontes' a mais. Acabar com alguns feriados seria um sinal positivo. E não seria apenas um sinal simbólico.

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

I. Os portugueses são especialistas em feriados e "pontes". Aliás, graças às "pontes", os portugueses conseguem amealhar mais um mês de férias extra, que se espalha ao longo do ano através das ditas "pontes". Este fenómeno é o reflexo de um país que não gosta de trabalhar, tal como dizia o presidente da 'Alfama'.

II. Neste sentido, é muito interessante a proposta de duas deputados independentes do PS, Maria Rosário Carneiro e Teresa Venda. As duas deputadas dizem, e bem, que os portugueses folgam entre 44 e 47 dias por ano (férias, feriados e "pontes") - sem contar com os feriados municipais. Meus caros, isto é manifestamente folga a mais. Em consequência, as duas deputados propõem a anulação de quatro feriados, dois civis (5 de Outubro e o 1 de Dezembro) e dois religiosos (Corpo de Deus e Todos os Santos). Eu tenho a impressão que, mesmo assim, esta é uma proposta modesta. Olhando para o calendário, fica a impressão de que a Imaculada Conceição (8 de Dezembro) e o 10 de Junho (um resquício salazarista que este regime ainda não teve a coragem para apagar) estão a mais. Aliás, faz mais sentido apagar o 10 de Junho (uma farsa) do que o 1 de Dezembro (uma data histórica importante).

III. Se os portugueses recusarem este corte nos feriados, então será caso para dizer que os portugueses têm o que merecem: a continuação desta morte lenta.