Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

A superioridade de Israel

O exército israelita fez uma enorme borrada. Agora, tem que haver consequências. Israel não é o Hamas. Ali, no único estado de direito da região, as culpas não morrem solteiras.

Henrique Raposo (www.expresso.pt)

I. Tal como diz Fernando Gabriel (no "i"), Israel engoliu o isco. Aliás, engoliu a cana inteira. Como é que os israelitas podem ser tão ingénuos? Como? Caíram que nem uns patinhos na provocação da "santa aliança" (os verdes islamitas e os vermelhos europeus). Pior: caíram da pior forma possível. Como relata a imprensa israelita, as operações foram conduzidas de forma incompetente. Os comandos entraram em acção empunhando armas de paintball (não estou a gozar - ver este vídeo), ou seja, menosprezaram o fanatismo daqueles "activistas". Depois, perante a acção dos "activistas", tiveram de reagir com excesso de força.

II. Ora, esta incompetência faraónica tem que ter consequências. Israel é superior ao Hamas, Hezbollah e companhia. Israel é uma democracia. É um estado de direito. Os "Hamas" daquela região matam deliberadamente inocentes, e protegem-se atrás de inocentes. Mais: são amados por isso. Se comandos do Hamas tivessem assassinado deliberadamente inocentes israelistas, esse comandos seriam recebidos como heróis. Quando matam civis no meio do fog of war, os comandos israelitas têm de ser castigados. Em Israel, há jus in bello.