Siga-nos

Perfil

Expresso

O “fardo do homem branco” esconde o racismo do “outro”

Num asilo, os velhotes insultam as auxiliares estrangeiras. Gritam “Você é estrangeira!”. Não, não é na Hungria, Baviera, Londres ou Itália. É no Japão. Quando um lar em Kawaguchi (20 km a norte de Tóquio) começou a contratar indonésias, a reação dos residentes japoneses foi a repulsa: “gaijin”! (estrangeiro). Esta história do “The Economist” mostra como ser estrangeiro no Japão pode ser simpático na condição de turista, mas é tudo menos simpático na condição de trabalhador que tem de entrar de facto no dia a dia japonês. Esta e outras histórias levaram as autoridades japoneses a olhar finalmente para o problema, até porque o país precisa de imigrantes.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)