Siga-nos

Perfil

Expresso

Fundos de investimento

Fundos para comunicar com a sua carteira

Num negócio cada vez mais global, as telecomunicações garantiram ganhos aos investidores nos últimos cinco anos.

Jorge Pires (www.expresso.pt)

Segundo dados da International Data Corporation (IDC), já foram vendidos este ano em todo o mundo mais de 100 milhões de computadores e a mesma empresa contabilizou, no ano passado em Portugal, vendas médias de 15 mil telemóveis por dia, num total de 5,5 milhões de telemóveis, números que são o rosto de um mundo cada vez mais refém das telecomunicações.

Na bolsa, os sinais avolumam-se. O índice representativo das maiores empresas mundiais do sector das telecomunicações, o Bloomberg World Telecommunications, cresceu anualmente 7,83% nos últimos cinco anos, tendo nos último 12 meses valorizado 20%, muito à custa de três empresas que subiram mais de 70%, como é o caso da norueguesa Telenor, da chinesa ZTE e da empresa do Estado do Bahrein, a Mobille Telecommunications. Nos últimos cinco anos, o índice conseguiu melhores resultados que os das acções mundiais (índice Bloomberg World) e das acções norte-americanas (S&P 500), apresentando-se como um sector que trouxe boas rendibilidades aos investidores.

Segundo um estudo da Deloitte para Portugal para 2010 , a consultora acredita que o sector das telecomunicações conseguirá resistir à crise actual, sendo expectável um ligeiro abrandamento dos serviços de rede fixa. Segundo o mesmo estudo, as redes de nova geração irão modificar o sector e sobretudo os padrões dos consumidores e das empresas, já que à medida que a velocidade de transmissão de dados aumenta, será de esperar que isso tenha um reflexo importante para todos os intervenientes do mercado.

Nos mercados accionistas, a maioria dos analistas prevê um aumento dos lucros por acção para as empresas de telecomunicações durante os próximos dois anos, segundo os dados compilados pela agência Bloomberg, tal com uma taxa de dividendo superior. Estes analistas estimam ainda que o P/L (Preço/lucros de 12 meses por acção) do sector baixe, tornando assim as acções das empresas mais atractivas, nomeadamente as empresas do mercado nacional, como a ZON Multimédia, a Portugal Telecom e a Sonaecom.

Fundos para ligar investidores a empresas

A melhor maneira de investir no sector das telecomunicações como um todo passa por fundos de investimento. Mas antes de mais, é importante saber que os fundos de investimento de acções são arriscados, e são recomendados para investidores que sejam capazes de assumir riscos e que tenham a  capacidade de imobilizar o seu dinheiro por um período mínimo de três anos. Logo, e embora a história não seja indicador de futuro, ao escolher o fundo pretendido deve dar vantagem aos fundos com rendibilidades consistentes a longo prazo.

Seguindo esta lógica, dos fundos existentes para subscrição em Portugal, o da gestora Fidelity apresenta os melhores resultados, tanto a curto como a longo prazo. Nos últimos 12 meses, o fundo atingiu uma rendibilidade acima dos 20%, e nos últimos cinco anos, cresceu a um ritmo de 4,76% por ano, tendo agora a sua carteira empresas como a operadora móvel internacional Vodafone, a fabricante e operadora norte-americana AT&T e a operadora espanhola Telefónica.

Outro fundo que trouxe renbilidades generosas, nos últimos cinco anos, é o Invest European Telecom, gerido pela ING investment. Gerido por Jeroen Brand, a carteira é feita apenas de companhias europeias, e nos últimos cinco anos deu aos investidores 2,36%. Empresas como a Swisscom, a holandesa KPN e as ibéricas Portugal Telecom e Telefónica, que representam cerca de 40% do fundo, fazem parte das eleitas pelo gestor.

Dos fundos dísponiveis para investir nas telecomunicações em Portugal, apenas um pertence a uma gestora nacional, neste caso o Montepio. O fundo do banco mutualista, tal como o anterior, investe apenas em acções europeias ligadas ao sector, sendo que as suas maiores posições se encontram nas maiores companhias telefónicas do Velho Continente, como são os casos da Vodafone, Telefónica,  France Télécom e Deutsche Telecom.