Siga-nos

Perfil

Expresso

Fundos de investimento

Cimpor e Sonaecom preferidas pelos fundos

As movimentações dos fundos de acções nacionais em Abril ficaram marcadas por uma fuga generalizada dos três maiores bancos, BCP, BES e BPI e pelo reforço das posições detidas na Altri, Cimpor e Sonaecom.

Luís Caleira Marques (www.expresso.pt)

Num mês que ficou marcado pela descida do rating de Portugal, os gestores dos fundos de acções portuguesas decidiram reduzir a sua exposição ao BCP, BES e BPI, chegando a vender a totalidade das acções que detinham, no caso do Banif.  Segundo a informação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os gestores dos fundos do Espírito Santo Portugal Acções, BPI Portugal e Millennium Acções Portugal reduziram a sua exposição aos três bancos enquanto que o Barclays Premier Acções Portugal vendeu acções do BES e do BPI e os fundos do Santander e da Caixagest venderam acções do BCP e do BPI.

Abril também ficou marcado pelo fecho das posições que o Alves Ribeiro Médias Empresas Portugal, o Banif Acções Portugal e o Millennium detinham na EDP Renováveis, sendo acompanhada pela venda de parte dessa posição pelo Barclays, Caixagest e BPI. Estas vendas aconteceram num mês que assistiu à descida do preço-alvo dos títulos da companhia por parte do Barclays Capital, do Goldman Sachs e do BPI.



A construtora Mota-Engil está refém das decisões do Governo em relação às diversas obras públicas planeadas para Portugal. A actual situação das contas públicas nacionais e a incerteza quanto a grandes obras públicas anteriormente tidas como garantidas tem condicionado a evolução da cotação da empresa que está hoje a valer quase metade do que os analistas, ouvidos pela Bloomberg, estimam que possa valer. Como resultado, os gestores dos fundos do Banif, Espírito Santo, BPI, Millennium e da Caixagest reduziram o número de acções que detinham da empresa.



A aproveitar a acalmia reinante após o conturbado período da OPA, o fundo do Banif tornou-se accionista da cimenteira Cimpor, tendo os fundos do Barclays, do Espírito Santo e da CaixaGest reforçado a sua posição na empresa. Uma das preferidas dos fundos continua a ser a Sonaecom. Depois dos reforços do primeiro trimestre, continuaram a apostar na tecnológica, com seis fundos ( Banif, Santander, Alves Ribeiro, Espírito Santo, Millennium e CaixaGest) a aumentarem o número de acções nas suas carteiras.



Uma outra empresa na qual os fundos reforçaram a sua posição foi a Altri, que já desceu 15,87% desde que atingiu o seu máximo histórico de 5,23 euros no dia 17 de Março de 2010. Banif, Espírito Santo, Millennium, CaixaGest e Barclays adquiriram acções da papeleira. A Novabase também foi alvo de reforço por parte dos fundos do Santander, Espírito Santo e Millennium.