Siga-nos

Perfil

Expresso

Arquivo

Cavaco defende clarificação dos cadernos eleitorais

Presidente da República, Cavaco Silva, considera que é "muito difícil" que existam mais de 8,5 milhões de eleitores. Clique para visitar o especial Portugal 2011

O Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu hoje que seria "altamente conveniente" que fosse feita uma "clarificação" dos cadernos eleitorais, considerando que é muito difícil que existam mais de 8,5 milhões de eleitores.

Clique para aceder ao índice do especial Portugal 2011

"Os cadernos eleitorais têm cerca de nove milhões e quinhentos mil eleitores, mas é muito difícil que existam em Portugal muito mais que oito milhões e meio de eleitores. Por isso, seria altamente conveniente que se procedesse a uma clarificação dos cadernos eleitorais para termos uma ideia correta, mais precisa, do valor da abstenção", declarou.

O Presidente da República falava aos jornalistas à entrada para o Teatro S. Luíz, após questionado sobre o apelo que fez à participação eleitoral, no sábado passado, dia de reflexão, e sobre o valor da abstenção que se verificou nas eleições legislativas, no domingo.

 

De acordo com os dados disponíveis no site da Comissão Nacional de Eleições (CNE), estavam inscritos 9.429.024 eleitores, tendo votado 5.554.002.

Com 226 dos 230 mandatos atribuídos - os quatro mandatos dos círculos Europa e Fora da Europa serão conhecidos dia 15 - a afluência registada em território nacional foi de 58,9%, o que resulta numa abstenção de 41,1%.

"Não se pode dizer que o meu apelo não tenha produzido resultados, porque há que fazer a comparação entre a abstenção que se verificou e aquela que se teria verificado se eu não tivesse feito o apelo", afirmou.

Se a taxa de abstenção for calculada tendo como valor de referência 8,5 e não 9,4 milhões de eleitores, "a abstenção é menor do que a que foi anunciada", observou.