Siga-nos

Perfil

Expresso

Lusofonia

Peritos angolanos já estão no local do acidente

Uma equipa de peritos da Força Aérea angolana encontra-se no local do acidente aéreo, que vitimou dois portugueses e dez outras pessoas, para apurar as causas da tragédia.

Uma equipa de peritos criada pelo governo angolano deslocou-se hoje ao local onde sábado caiu um avião, na região do Bailundo, província do Huambo, acidente que provocou a morte de 12 pessoas, duas das quais portuguesas.  

     

A acompanhar a equipa de peritos da Força Aérea e do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC) angolano, seguiram ainda o governador do Huambo e o vice-ministro dos Transportes, Hélder Presa.  

     

O objectivo da missão, segundo explicou à Lusa fonte do INAVIC, é recolher os primeiros dados para a investigação em curso cujo objectivo é determinar as causas do acidente com o Air King B 200 que se despenhou na manhã de Sábado, cerca das 08:00 locais (mais uma que em Lisboa).  

     

No acidente, que ocorreu entre o Bailundo e Mbave, morreram os 12 passageiros do avião, incluindo os empresários portugueses ligados ao ramo automóvel, Vasco Mendes de Almeida e Nuno Marques, e ainda Valentim Amões, proprietário, entre outras nove empresas, da companhia Tropicana, à qual pertencia a aeronave. 

     

Entretanto, os corpos das vítimas foram já transportados para a cidade do Huambo. Valentim Amões, natural do Huambo, será enterrado ali, enquanto os corpos dos portugueses vão viajar para Portugal via Luanda.  

     

Os corpos dos dois portugueses poderão seguir ainda hoje para Luanda. Caso isso suceda, fonte da Embaixada de Portugal admitiu que possam seguir na segunda-feira para Lisboa.  

     

Alguma demora na deslocação, segundo fonte ligada às investigações do acidente contactada pela Lusa, deve-se ao facto de se tratar de um acidente aéreo que tem, obrigatoriamente, tramitações inerentes à investigação diferentes de outros casos que envolvem movimentação de corpos.