Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Viagem ao futuro das tecnologias de informação

Durante três dias, as mais reputadas personalidades nacionais e internacionais vão debater, em Lisboa, os desafios e as preocupações do futuro da comunicação.

“No futuro tudo será novo”. É com este tema que arranca hoje o 16.º Congresso das Comunicações, promovido pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC). Até quinta-feira, a antiga FIL de Lisboa reunirá 60 reputadas personalidades nacionais e internacionais, que prometem debates únicos sobre o futuro das tecnologias de informação e comunicação.

“Um dos objectivos traçados para o evento é trazer o mundo a Portugal”, afirma o consultor da presidência da República para a Sociedade de Informação, Diogo Vasconcelos, que preside a 16.ª edição do evento. “É o mais importante acontecimento de 2006 no que toca ao desenvolvimento estratégico português. Teremos tecnologia, mas também economia, sociedade, cultura e mentalidade”.

Web em discussão

As honras de abertura do congresso ficarão a cargo da comissária europeia para a Sociedade de Informação, Viviane Reding, e do ministro das Obras Públicas, Mário Lino. Em destaque estarão discussões como “O Futuro dos motores de busca”, “Uma revolução chamada Web 2.0” e as “Cidades de Banda Larga”. No entanto, o debate mais aguardado respeita ao “Papel da regulação: concorrência, telecomunicações e conteúdos”, onde vão estar reunidos, pela primeira vez, os três reguladores portugueses e ainda o mais relevante regulador mundial, o norte-americano Kevin Martin, presidente da Federal Communications Comission.

Como prova do papel da Internet na inovação constante das tecnologias de informação, o encontro tem, pela primeira vez, um canal de televisão móvel, com transmissão em directo para a web. Foi também criado um blogue onde é já possível comentar livremente os conteúdos do congresso.

O evento, que este ano se apresenta com apenas duas sessões plenárias seguidas de debates simultâneos, conta receber mais de 2000 congressistas.