Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Verão escaldante

O Relatório Final da Época dos Incêndios Florestais é claro: Tivemos o 5.º Verão mais quente de sempre, acompanhado de muita chuva. O clima está a mudar também em Portugal.

O Verão de 2006 foi o 5.º mais quente de sempre. Desde 1941, este é o quarto ano ano consecutivo caracterizado por altas temperaturas e por ondas de calor. Foi, também, um Verão "chuvoso a extremamente chuvoso", com quantidades de precipitação acima do normal, situação sinóptica que não é muito comum neste período em Portugal e que esteve associada à passagem de depressões. O que acabou por contribuir para desagravar, em determinados locais, o risco de incêndio.

A conclusão é do Instituto de Meteorologia (IM) e consta do Relatório Final da Época dos Incêndios Florestais, apontando para a ocorrência de uma onda de calor entre 27 de Agosto a 9 de Setembro, coincidente com uma parte do período em que se verificaram grandes incêndios em Portugal.

Segundo o IM em Junho, Julho e Agosto, a temperatura média do ar foi cerca de 1,8ºC acima da média do Verão no período de 1961-1990. Sendo certo que o número de dias de calor ultrapassou o maior número anteriormente observado em Beja, Braga, Elvas e Penhas Douradas. Em Alvalade, Alvega e Setúbal, foi igualado o maior número de dias em onda de calor.

A 24 de Maio iniciou-se uma onda de calor que se prolongou até 8 de Junho na região Centro e na região de Portalegre, com a duração de 16 e 15 dias, respectivamente. Uma nova onda de calor registou-se a partir de 1 de Junho tendo terminado oito dias depois.

A 7 de Julho, começou outra onda de calor na região do Alentejo, que se estendeu a quase todo o território e terminou em 18 de Julho no litoral Norte e região do Centro. Segundo o IM, esta onda de calor, pela sua extensão espacial (quase todo o território) e temporal (11 dias na região do Alentejo) "pode ser considerada a mais significativa observada em Julho na rede das estações do Instituto desde 1941".

Em 2 de Agosto, iniciou-se uma onda de calor, desta vez em Braga, que se estendeu a partir do dia 4 às regiões do litoral Norte e Centro, terminando a 13 de Agosto. Durou entre 8 a 11 dias, sendo Braga o local com mais dias de calor (11). No final de Agosto, registou-se ainda outra onda de calor, quie começou a 27, estendendo-se às regiões do interior Centro e a partir do dia 31 ao interior Norte. Amareleja, foi o local com mais dias de ondas de calor, que chegaram a atingir 14 dias consecutivos.

Embora muito elevadas (durante vários dias ultrapassou os 40ºC em alguns distritos) e registadas em dias consecutivos, as temperaturas do Verão passado perdem, contudo, para o de 2005, considerado o mais quente de sempre, com 2,38ºC acima da média, e para o de 1949 (+1,98ºC). Bem como para os anos imediatamente anteriores, nomeadamente, 2004 (o 3º Verão mais quente, com +1,92ºC) e 2003 (o 4º mais quente, com +1,91ºC).

Com Verões cada vez mais quentes do que a média, resta saber se o fenómeno indicia que Portugal está afectado pelo aquecimento global.

Questionados pelo EXPRESSO, os técnicos do IM dizem que apesar disso, "não se pode imediatamente afirmar que esta situação esteja associada a alterações climáticas, já que pode fazer parte da variebalidade climática em Portugal".Ou seja, como "as alterações climáticas referem-se a variações estatisticamente significativas no estado médio do clima ou na sua variabilidade", será por isso "necessário realizar estudos baseados em testes estatísticos que mostrem a existência de uma alteração no sistema climático".

Uma coisa é certa, segundo um estudo divulgado recentemente em Londres - da autoria de Nicholas Stern, ex-responsável do Banco Mundial - se nada for feito para conter o aquecimento global, Portugal, juntamente com a Espanha e Itália, será dos países europeus mais fustigados pelas alterações climáticas.

TRÊS PERGUNTAS A FILIPE DUARTE SANTOS

Professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e coordenador do projecto SIAM – Alterações Climáticas em Portugal. Cenários, Impactos e Medidas de Adaptação, é um dos maiores especialistas portugueses em climatologia.

As temperaturas elevadas registadas este ano estão relacionadas com o aquecimento global?

Creio que há uma relação entre o aumento da temperatura média global observado desde meados do séc.XIX e especialmente desde a década de 1970 e o aumento da concentração de gases com efeito de estufa na atmosfera, em especial o dióxido de carbono emitido na combustão dos combustíveis fósseis e em consequência da desflorestação.

Essas alterações climáticas já eram esperadas?

O aumento da temperatura média observado está de acordo com as projecções feitas com modelos climáticos que simulam o comportamento do sistema climático na década de 1988 (ver, por exemplo, James Hansen et al. PNAS, 2006, 103, 14288-14293 (www.pnas.org).

O aquecimento global poderá agravar-se?

Estamos a assistir aos primeiros sinais claros do aquecimento global e é muito provável que esses sinais se irão intensificar ao longo deste século e para lá dele.