Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Um dia sem sapatos em Lisboa

A baixa lisboeta foi percorrida por jovens que querem chamar a atenção para os milhares de pessoas no mundo que não têm sapatos.

Cerca de quinze pessoas desfilaram hoje descalças na Rua Augusta, em Lisboa, uma iniciativa inserida no movimento internacional "Um Dia Sem Sapatos" que se realizou pela primeira vez em Portugal.

Ignorando o frio e a chuva que caiu durante a tarde em Lisboa, cerca das 18h00, cerca de quinze jovens descalçaram os sapatos e percorreram aquela rua da baixa lisboeta, que liga a Praça do Comércio ao Rossio, desafiando quem passava a juntar-se a eles.

"Um Dia Sem Sapatos" chegou a Portugal, mais especificamente a Lisboa, pela mão do grupo de ação social GASNova, uma associação sem fins lucrativos fundada em 2001 na Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa.

Foram jovens desta associação que hoje desafiaram quem passava pelo Arco da Rua Augusta a colocar-se no lugar de quem não tem sapatos. O intuito da ação de hoje "é sensibilizar as pessoas para o facto de que em cada dez pessoas quatro não têm sapatos", disse à Lusa Pedro Afonso, da organização, acrescentando que este é "um problema ao nível de saúde, educação e oportunidade".

Pedro Afonso lembrou as crianças que têm que percorrer quilómetros descalças para poderem estudar, tendo muitas delas "problemas de saúde, com infeções contagiosas através do solo" e que há que não possa frequentar algumas escolas, "por não terem trajes que incluem sapatos".

"É um problema de igualdade que o mundo atravessa", referiu. Desde as 11h00, as pessoas eram desafiadas a caminharem descalças em diferentes tipos de solos (pedras, areia, terra), "para se sentirem mais próximas do problema", a doarem sapatos e a participarem na marcha.

Uma das ideias da organização é que quem contactou hoje com a iniciativa da GASNova, "passe a mensagem a mais gente".

Um dia sem sapatos foi a proposta...
1 / 15

Um dia sem sapatos foi a proposta...

... de uma organização juvenil, a GASnova
2 / 15

... de uma organização juvenil, a GASnova

O Objetivo é chamar a atenção para os milhares de pessoas que são obrigadas a andar descalças
3 / 15

O Objetivo é chamar a atenção para os milhares de pessoas que são obrigadas a andar descalças

A ideia nasceu na Argentina, em 2006...
4 / 15

A ideia nasceu na Argentina, em 2006...

... quando um jovem americano reparou na quantidade de crianças que existiam sem calçado...
5 / 15

... quando um jovem americano reparou na quantidade de crianças que existiam sem calçado...

.. E decidiu criar uma empresa que por cada de sapatos comprados doasse uns a uma pessoa de um país em vias de desenvolvimento
6 / 15

.. E decidiu criar uma empresa que por cada de sapatos comprados doasse uns a uma pessoa de um país em vias de desenvolvimento

Na baixa lisboeta, um grupo de jovens andou a perguntar às pessoas...
7 / 15

Na baixa lisboeta, um grupo de jovens andou a perguntar às pessoas...

... como seria a vida delas sem sapatos
8 / 15

... como seria a vida delas sem sapatos

E convidou os transeuntes a experimentar andar em cima de terra e pedras
9 / 15

E convidou os transeuntes a experimentar andar em cima de terra e pedras

Quem quisesse podia doar um par de sapatos e...
10 / 15

Quem quisesse podia doar um par de sapatos e...

... e através de um número de registo pode saber em que sítio foram entregues
11 / 15

... e através de um número de registo pode saber em que sítio foram entregues

Está provado que os sapatos ajudam na protecção contra lesões...
12 / 15

Está provado que os sapatos ajudam na protecção contra lesões...

e na prevenção de doenças infecto-contagiosas
13 / 15

e na prevenção de doenças infecto-contagiosas

A Gasnova defende que a falta de sapatos é um claro exemplo de assimetria social
14 / 15

A Gasnova defende que a falta de sapatos é um claro exemplo de assimetria social

A associação estima que se o mundo fosse uma aldeia de 100 pessoas, 40 não teriam sapatos
15 / 15

A associação estima que se o mundo fosse uma aldeia de 100 pessoas, 40 não teriam sapatos