Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

UGT e CGTP consideram proposta "previsível"

As centrais sindicais dizem que a proposta apresentada esta terça-feira pelo Governo para a actualização dos salários da função pública era prevísivel e esperam que haja margem para negociação.

A UGT e CGTP classificaram como "previsível" a proposta de aumentos salariais de 2,1% para 2008 que o Governo apresentou esta terça-feira para os funcionários públicos, mas manifestaram expectativa de que esse valor seja negociável.

As organizações sindicais afectas à UGT (STE e FESAP) reivindicam aumentos salariais de 3,5 e 3,8 por cento, respectivamente, enquanto que a organização sindical afecta à CGTP, a Frente Comum, reivindica 5,8%.

"Esta proposta já era previsível, mas esperamos que ainda haja margem de negociação, tendo em conta que hoje foi a abertura de um processo negocial", afirmou o secretário-geral da UGT aos jornalistas, à saída de um encontro com o primeiro-ministro em São Bento.

João Proença acrescentou ainda que a UGT espera este seja um processo negocial "aberto e não um simulacro de negociação".

Para o secretário-geral da CGTP, também não foi novidade o aumento proposto para os funcionários públicos, tendo em conta que o Governo já tinha anunciado que a previsão para a inflação para 2008 era de 2,1%.

"Vamos ver qual é o espaço de negociação; seria bom que o Governo nos surpreendesse mas não temos falsas esperanças sobre isso", disse Carvalho da Silva à saída do mesmo encontro com o primeiro-ministro.