Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Terrorista de Bombaim vai ser enforcado

Mohammad Ajmal Amir Qasab vai ser enforcado. O paquistanês de 22 anos foi considerado culpado pelo ataque que em 2008 matou 174 pessoas, incluindo nove terroristas, em Bombaim. (Veja no final do texto vídeo colocado no YouTube)

Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)

O terrorista Mohammad Ajmal Amir Qasab foi ontem condenado à forca. A decisão da justiça foi considerada "honrosa" pelos meios de comunicação indianos. Chega assim ao fim o julgamento do ataque bombista que em 2008 matou 174 pessoas em Bombaim e debilitou as já estremecidas relações entre a Índia e o Paquistão.

O único sobrevivente do grupo de terroristas - morreram outros nove durante o ataque - foi considerado culpado das acusações de assassinato, guerra contra a Índia e posse de explosivos.

Ataques planeados no Paquistão

Segundo o magistrado do Ministério Público indiano, "seria um desacato da Justiça se a pena de morte não fosse aplicada". Ujjwal Nikam, que hoje esteve mais de duas horas a argumentar, junto aos jornalistas, que o terrorista merecia a condenação, disse que Qasab "é um agente do próprio demónio, uma desgraça para a sociedade e para a humanidade".

Em declarações à agência AFP, o promotor descreveu o terrorista como "uma máquina de matar que não tem sentimentos humanos". E disse que se Qasab ftivesse sido condenado à prisão perpétua, a Índia passaria a ser um "alvo fácil" para extremistas.

De acordo com Nikam, os crimes de Qasab envolveram planeamento "focado, meticuloso e pormenorizado" para matar polícias e civis.

Recorde-se que a Índia acusou os militantes do grupo paquistanês Lashkar-e-Taiba. E que o Paquistão, depois das negações iniciais, acabou por reconhecer que os ataques foram parcialmente planeados no país e, também, a nacionalidade paquistanesa de Qasab.

Os meios de comunicação indianos não perdoaram a absolvição de dois indianos suspeitos de ajudar o terrorista, considerando que a polícia "fez pouco caso" da situação.