Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Teerão anuncia construção de novo reator nuclear

Irão pretende construir um novo reator de pesquisa nuclear médica a curto prazo "mais potente" do que aquele que existe actualmente em Teerão.

O Irão vai construir a "curto prazo" um novo reator de pesquisa nuclear médica "mais potente" do que o que dispõe atualmente em Teerão, anunciou hoje o chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi.

"Estamos a preparar a construção de um reator mais potente do que o de Teerão para produzir rádio-isotopos, e este reator entrará em funcionamento a curto prazo no país", declarou Salehi, citado pelo site da Internet da televisão pública iraniana.

O chefe da Organização de Energia Atómica Iraniana não deu pormenores sobre o estado do desenvolvimento do projeto, designadamente não especificou a potência do novo reator nem o local onde será construído.

Questão nuclear causa fricções entre Irão e o Ocidente

O Irão dispõe atualmente de um reator de pesquisa nuclear de cinco megawatts que foi construído antes da revolução islâmica em Teerão.

O lançamento pelo Irão em fevereiro da produção de urânio enriquecido a 20 por cento, que oficialmente se destinam ao fabrico de combustível para este reator, desencadeou uma nova crise entre a República islâmica e a comunidade internacional, que suspeita que Teerão quer fabricar a bomba atómica, apesar dos repetidos desmentidos de responsáveis iranianos.

"Planeámos pôr em funcionamento vários reatores no norte, no sul, no leste e no oeste do país para produzir rádio-isotopos, que venderemos aos países da região e aos países islâmicos que necessitem", adiantou Salehi.

Programa nuclear iraniano alvo de sanções pela ONU

O Conselho de Segurança da ONU adotou a 9 de junho uma nova resolução de imposição de sanções contra Teerão para tentar convencer o Irão a suspender o enriquecimento de urânio.

O Irão apresentou sempre a continuação do programa nuclear, alvo de seis resoluções da ONU, incluído quatro desde 2006, como um "direito legítimo" de acesso às tecnologias mais modernas.

O programa nuclear iraniano é supervisionado pela Agência Internacional de Energia Atómica, mas esta instituição da ONU afirmou num relatório de maio que não estava capacitada para certificar que este programa era puramente civil, alegando não ter tido acesso a todas as informações que pediu.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.