Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Suspeito de homicídio e canibalismo vai hoje a tribunal

Luka Rocco Magnotta, o presumível homicida de um estudante chinês, vai comparecer hoje num tribunal de Berlim, cidade onde foi detido ontem.

O canadiano suspeito de assassinar um estudante chinês, detido na segunda-feira em Berlim, vai comparecer hoje num tribunal berlinense, indicou um porta-voz do ministério público alemão, Martin Steltner.

"O suspeito vai ser apresentado hoje ao juiz que lhe vai confirmar a detenção" e especificar as acusações de que é alvo, declarou este porta-voz, precisando que o processo de extradição para o Canadá poderá demorar "alguns dias".

A audição perante o juiz será à porta fechada.

"O processo de identificação do suspeito" - detido em Berlim depois de dez dias em trânsito a partir do Canadá via Paris - durou até à noite, indicou este porta-voz, precisando que o suspeito foi identificado nomeadamente pelas impressões digitais.

A justiça alemã pediu ao Canadá para fornecer os documentos para que o presumível homicida seja extraditado. "Aguardamos estes documentos e logo que cheguem, um juiz pronunciar-se-á sobre a extradição", disse, adiantando que se "espera que a extradição seja validada".

Questionado sobre a data da extradição, Steltner respondeu que isso "demorava habitualmente alguns dias", sem dar mais pormenores.

Fuga para França

Luka Rocco Magnotta é acusado de assassínio premeditado e de profanação de cadáver. O suspeito terá perpetrado este assassínio na noite de 24 para 25 de maio, antes de partir para França a 26 de maio.

Os investigadores canadianos afirmaram que Magnotta era bissexual, antigo prostituto e ator pornográfico.

Os "media" canadianos designaram o presumível assassino como "psicopata canadiano" porque alegadamente publicou na Internet um vídeo do homicídio e do desmembramento do corpo, ao som da música do filme "American Psycho".

Pedaços do corpo - um pé e uma mão - foram enviados pelo correio para dois partidos políticos canadianos.

A imprensa chinesa, que cita amigos da vítima, refere que o estudante chinês morto e desmembrado no Canadá não era companheiro do presumível assassino. A polícia canadiana, por seu turno, tinha avançado que o estudante chinês, Jun Lin, de 33 anos, tinha uma relação sexual com Magnotta.

Lin Jun mantinha todos os negócios no Canadá e esperava a chegada do namorado, de acordo com um amigo, citado pelos "media" chineses.

Segundo os amigos, Liu Jun era um jovem de corpo atlético que tinha numerosos amigos e estava comprometido numa relação amorosa com outro homem quando se terá cruzado com Magnotta.