Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sondagem: Jerónimo e Parlamento "em alta", Louçã em queda, Governo mantém saldo negativo

A presença do líder do PCP em manifestações de protesto contra o encerramento de serviços públicos agradou aos inquiridos do Barómetro da Eurosondagem para o Expresso, SiC e Rádio Renascença.

Isabel Oliveira

A redução da actividade política, própria da época estival, beneficiou os seus principais protagonistas e instituições. O Presidente da República (+2,4% face ao mês anterior) e o primeiro ministro (+1,9%), por um lado, e o Governo (+2,8%) e a Assembleia da República (+6,8%), por outro, registam subidas significativas, embora o Executivo continue em terreno negativo: as opiniões negativas sobre o seu desempenho superam a apreciação positiva em 7,6%. Curioso é o facto de o Parlamento obter um saldo positivo - circunstância que não se verificava há muitos meses - numa altura em que se encontra encerrado para férias.

<b>Jerónimo de Sousa, subida fulgurante</b><br></br>(clique na imagem para ver o a sondagem Expresso em formato PDF)<a href=http://downloads.officeshare.pt/expressoonline/PDF/Sondagem060907.pdf/>

Jerónimo de Sousa, subida fulgurante

(clique na imagem para ver o a sondagem Expresso em formato PDF)

De acordo com o Barómetro de Setembro da Eurosondagem para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, se houvesse agora eleições legislativas o PS voltava a conquistar maioria absoluta, com 45,2% das intenções de voto. Seguem-se-lhe o PSD com 30,3% (registando uma descida de 2,7% em relação ao passado mês de Agosto), a CDU com 9,2% (+1,5%), o BE com 5,5% (-1,4%) e o CDS/PP com 5,0% (+0,2%). O PS é o partido mais votado em todas as faixas etárias e regiões do país. Entre os líderes da oposição, Jerónimo de Sousa é quem mais lucra com o descontentamento popular em relação às medidas de contenção do Governo. Ao insistir no combate ao desemprego, na defesa dos direitos dos trabalhadores face à rígida legislação laboral e na manutenção dos serviços públicos (Educação e Saúde), o secretário-geral do PCP subiu seis pontos percentuais no índice de popularidade, cometendo um efeito inédito entre os comunistas nos últimos anos. Marques Mendes regista um saldo negativo de 2,2% (descendo um ponto percentual no último mês), Paulo Portas apresenta um ligeiríssimo saldo positivo (0,6%), resultante de um crescimento de +1,7% em relação a Agosto, e Francisco Louçã cai a pique na cotação dos inquiridos da Eurosondagem, com um saldo negativo de 1,1% e uma descida de 1,3% nos últimos 30 dias.

A contratação de José António Camacho para treinador do Benfica não chega para resolver os problemas dos encarnados, consideram 54,3% dos entrevistados. Apenas 29,6% acham que a vinda do técnico espanhol pode inverter os resultados medíocres daquele clube. No que respeita ao financiamento dos partidos políticos, 77,2% são de opinião que as empresas deverão ser proibidas de o fazer. Neste capítulo, 54,2% entendem que Durão Barroso deve ser responsabilizado pelo financiamento ilegal da Somague ao PSD, enquanto 35,2% ilibam o actual presidente da Comissão Europeia. Os vetos presidenciais são considerados "normais" para 60,7% dos inquiridos. E 61,7% não acreditam que Cavaco esteja mais distante do Governo do que no início do mandato. Para a maioria dos entrevistados, a cooperação estratégica parece estar para durar.