Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sócrates pede desculpa e diz que vai deixar de fumar

José Sócrates pediu hoje desculpa ao país por ter fumado no voo entre Lisboa e Caracas. O primeiro-ministro diz ainda que vai deixar de fumar.

Pedro Morais Fonseca, agência Lusa

O primeiro-ministro, José Sócrates, assumiu hoje que fumou no voo entre Lisboa e Caracas, lamentou a polémica que entretanto se instalou em Portugal e pediu desculpa caso se verifique que violou a lei.

"Quero fazer-vos uma declaração sobre o facto de ter fumado no avião. De facto fumei, com o ministro da Economia (Manuel Pinho) enquanto conversávamos, mas no convencimento de que se podia fumar, porque assim sempre aconteceu nas outras viagens anteriores". 

As declarações de José Sócrates foram proferidas à chegada à Faixa de Orinoco, a cerca de 500 quilómetros de Caracas.

Depois de se afastar do presidente da Venezuela, Hugo Chavez, Sócrates fez uma declaração aos jornalistas sobre a polémica em torno do facto de ter fumado segunda-feira no voo da TAP (fretado pelo Governo), entre Lisboa e Caracas.

Sócrates referiu-se depois à possibilidade de esse acto ter constituído uma violação da lei.

"Estava convencido que não estava a violar nenhuma lei nem nenhum regulamento. Infelizmente há essa polémica em Portugal e eu quero lamentar essa polémica. Se por algum motivo violei algum regulamento, alguma lei, lamento e peço desculpa, não voltará acontecer", declarou.

Primeiro-ministro diz que vai deixar de fumar

"Este episódio despertou-me para o facto de os fumadores, inconscientemente, poderem violar leis e regulamentos que desconhecem", disse José Sócrates.

Por este facto, o primeiro-ministro disse ter tomado uma decisão: "Não sei a última lei se aplica ou não aplica (ao caso do fumo em voos fretados), mas o Governo tem uma especial responsabilidade e eu também quero contribuir para isso.

Tenho consciência da minha responsabilidade pessoal. Por isso, este episódio não vai voltar a acontecer, porque também decidi deixar de fumar", declarou.