Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sócrates garante que não precisa de Orçamento Rectificativo

Sócrates assegura que "a despesa está controlada" e que o ano vai encerrar com "o menor défice da democracia portuguesa". Portas não ficou convencido e a moção de censura do CDS vem aí.

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Editora de Política da SIC

José Sócrates foi peremptório: apesar da revisão do crescimento económico e das medidas anunciadas há uma semana, o Governo não precisa de alterar o disposto no Orçamento do Estado. "Vamos cumprir as metas orçamentais e não precisamos de nenhum rectificativo", afirmou o chefe do Executivo, que adiantou ter "a despesa controlada" e prometeu chegar ao final do ano e registar "o menor défice da democracia portuguesa".

"Não deixamos contas para pagar ao futuro Governo", disse o primeiro-ministro, num debate que ficou marcado pelo ausência de novidades por parte do Executivo e pelo anúncio da moção de censura do CDS, que considera que o Governo não tem cumprido o seu Programa.

Com efeito, Sócrates não tirou nada da manga no debate quinzenal na Assembleia da República. Entre o auto-elogio à reforma da administração pública - cujas últimas leis foram hoje aprovadas em Conselho de Ministros -, a atribuição da responsabilidade pelos indicadores de pobreza recentemente divulgados ao Governo PSD/CDS e a revisão das medidas anunciadas há uma semana esgotou-se o tempo.

O Bloco de Esquerda queria discutir a crise. Mas perdeu a oportunidade, depois de esgotar o seu tempo em troca de insultos com o Sócrates e o PS. E só se chegou à crise, já o debate levava mais de meia hora, quando Santana Lopes trouxe o tema à colação. Ainda assim, a troca de perguntas e respostas entre o líder parlamentar do PSD e o primeiro-ministro foi dominada pelo tema "de quem é a responsabilidade pelos indicadores de pobreza e desigualdade?". Com Sócrates a sublinhar o facto de os dados do relatório europeu divulgado na semana passada se reportarem a 2004 e Santana a enjeitar que o seu Governo, de apenas seis meses, possa ser responsabilizado por esses indicadores.