Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sócrates e Zapatero juntos em Braga

Sócrates e Zapatero assistem à apresentação do projecto do Laboratório Internacional de Nanotecnologia, sedeado em Braga.

A 23.ª Cimeira Luso Espanhola realiza-se a 18 e 19 deste mês em Braga, encontro em que os primeiros-ministros de Portugal e de Espanha assistem à apresentação do projecto do Laboratório Internacional de Nanotecnologia.

Além desta sessão, a cimeira terá também como momento alto a realização da primeira reunião do Conselho Luso Espanhol de Segurança e Defesa, cuja sessão se abertura será presidida por José Sócrates e por José Luís Zapatero.

Os dois dias de Cimeira Luso Espanhola terão lugar no Mosteiro de Tibães de Braga, monumento nacional que tem sido alvo de intervenções de recuperação ao longo dos últimos anos.

De acordo com fonte do executivo de Lisboa, além da presença de José Sócrates, é provável que o Governo português se faça representar pelos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros (Luís Amado), da Defesa (Severiano Teixeira), Economia (Manuel Pinho), Ciência e Tecnologia (Mariano Gago), Obras Públicas (Mário Lino), Educação (Maria de Lurdes Rodrigues), Trabalho (Vieira da Silva), Saúde (Correia de Campos), Administração Interna (Rui Pereira), Cultura (Isabel Pires de Liam) e Agricultura (Jaime Silva).

"Esta cimeira vai decorrer num momento de excelentes relações entre Portugal e Espanha", declarou à Lusa fonte do Governo português.

Na sexta-feira, Sócrates e Zapatero assistem à apresentação do projecto do Laboratório Internacional de Nanotecnologia, sedeado em Braga.

O laboratório é um projecto ibérico, financiado pelos governos de Madrid e de Lisboa, e está aberto a cientistas internacionais no ramo da nanotecnologia.

Ao longo dos dois dias de cimeira, os governos português e de Espanha vão também discutir temas de carácter bilateral como os projectos rodo-ferroviários entre os dois países, questões relacionados com a energia, energias renováveis, alterações climáticas, recursos hídricos, controlo de fronteiras e combate à imigração clandestina.

Espera ainda que os dois governos ibéricos discutam políticas de cooperação nas áreas da saúde, segurança social e educação.