Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sócrates aponta falta de "diálogo e consenso" (vídeo)

José Sócrates: «Poderíamos ter evitado muita coisa se tivéssemos esse espírito»

Alberto Frias

Primeiro-ministro afirmou hoje que há muito tempo que anda a apelar à concertação entre todos os políticos e desvalorizou a ausência do ministro das Finanças nas cerimónias do 25 de abril. (Vídeo SIC no fim do texto)

O primeiro-ministro afirmou hoje que há muito tempo que anda a apelar à concertação entre todos os políticos e que Portugal poderia ter evitado muitas situações caso tivesse seguido esse espírito de consenso e de diálogo.

José Sócrates falava aos jornalistas no pátio de São Bento, quando se encontrava rodeado por dezenas de populares (na sua maioria vindos de Famalicão) que aproveitaram o 25 de Abril para visitar a residência oficial do primeiro-ministro, tal como em anos anteriores hoje aberta ao comum dos cidadãos neste dia feriado.

Depois de dar dezenas de beijos e apertos de mão, os jornalistas confrontaram o primeiro-ministro com o teor dos discursos hoje proferidos pelos ex-Presidentes da República (Mário Soares, Ramalho Eanes e Jorge Sampaio) e pelo chefe de Estado, Cavaco Silva, na cerimónia solene de comemoração do 25 de Abril, que decorreu no Palácio de Belém.

José Sócrates optou por não se referir especificamente a nenhuma destas intervenções, mas deixou uma mensagem: "Reconheço e valorizo todos aqueles que apelam ao consenso, ao diálogo e à concertação entre todos os políticos. Foi isso que fiz já há muito tempo e há muito tempo que tenho vindo a falar nisso. Poderíamos ter evitado muita coisa se tivéssemos esse espírito", respondeu.

A liberdade só tem sentido com "mais educação"

Sobre os discursos feitos pelos ex-Presidentes da República e pelo atual chefe de Estado, o líder do executivo demissionário apenas salientou que esses discursos "são todos eles bem-vindos e têm os seus destinatários, que são os portugueses".

Em contraponto, Sócrates preferiu referir-se ao próximo ponto do seu programa oficial em Santo Tirso, onde ao fim da tarde assinalará o fim das obras de requalificação de uma escola secundária.

"A liberdade só tem sentido com mais educação e os portugueses sabem que essa é a primeira ambição de um regime de liberdade", declarou.

"Teixeira dos Santos está certamente a trabalhar"

O primeiro-ministro afirmou hoje que tem boas relações com o ministro de Estado e das Finanças e adiantou que Teixeira dos Santos esteve ausente das comemorações do 25 de Abril por ter reuniões com a "troika" europeia.

"Teixeira dos Santos é ministro das Finanças e está certamente a trabalhar. Não posso dar-vos outra explicação que não seja essa", respondeu o líder do executivo.

"Eu fui convidado, todos os ministros foram convidados e, certamente, se o ministro das Finanças não esteve presente, é porque tinha - e tem obrigações", contrapôs o líder do executivo.

Interrogado se estava com boas relações políticas com o ministro das Finanças, José Sócrates respondeu com um sonoro "com certeza".

"O ministro das Finanças lidera a delegação governamental que está a negociar com a troika [europeia]. Essa negociação é muito exigente, difícil e tem reuniões hoje", frisou o primeiro-ministro.

Palavras de incentivo

Tal como em anos anteriores, José Sócrates foi muito bem recebido pelos populares à sua chegada à residência oficial de São Bento, sobretudo por parte das mulheres mais idosas.

A mês e meio das eleições legislativas, o primeiro-ministro ouviu apelos e palavras de incentivo: "Deus o ajude senhor primeiro-ministro, Deus o ajude", dizia uma das mulheres que antes o beijara e abraçara.

Logo a seguir, um outro grupo de mulheres tornou esses apelos mais explícitos em termos de objetivos imediatos: "Força para a campanha senhor primeiro-ministro".

E a despedida de Sócrates dos populares atingiu níveis de entusiasmo próprios dos comícios: "Viva o primeiro-ministro, viva o PS", gritou-se no meio de uma salva de palmas, quando o primeiro-ministro subia a escadas para o primeiro andar da residência, onde está instalado o seu gabinete de trabalho.

Sócrates respondeu às mulheres que o beijavam e elogiavam usando a mesma fórmula que aplica desde 2005: "Vocês são muito simpáticas".