Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Sete em cada cem raparigas fumam

Consumo de tabaco está a crescer entre as jovens, segundo um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) realizado em 151 países.

O consumo de tabaco está a crescer entre as adolescentes, alertou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS). Um estudo realizado em 151 países indica que sete em cada cem raparigas fumam, contra 12 por cento dos rapazes.

"É particularmente inquietante a crescente prevalência do consumo de tabaco entre as jovens", afirma a OMS nas vésperas do Dia Mundial Sem Tabaco (31 de maio), que alerta este ano para as estratégias utilizadas pela indústria do tabaco, ao longo de várias décadas, no sentido de aumentar o consumo entre as mulheres.

Segundo a OMS, em metade dos 151 países estudados, é quase aproximado o número de raparigas e rapazes que fumam tabaco. No entanto, na Bulgária, Chile, Colômbia, Croácia, República Checa, México, Nova Zelândia, Nigéria e Uruguai a percentagem de raparigas fumadoras já ultrapassa a dos rapazes.

Em Portugal, segundo a Direcção-Geral da Saúde, o consumo de tabaco tem registado, nos últimos anos, um ligeiro decréscimo nos jovens e um aumento nas adolescentes e mulheres jovens.

A iniciação do consumo tem lugar, habitualmente, na adolescência ou no início da idade adulta, após um período de aquisição de crenças e expetativas positivas relativamente ao tabaco.

"Após um período de experimentação irregular, muitos jovens tornam-se dependentes da nicotina, passando a consumidores regulares", adianta a DGS.

O relatório "Mulheres e Saúde", divulgado pela OMS, indica que cerca de sete por cento das adolescentes fumam, contra 12 por cento dos rapazes da mesma idade.

"Os dados sobre Portugal confirmam que as adolescentes estão a fumar cada vez mais. Se as famílias não tiverem consciência disso, se as escolas não trabalharem e os cuidados primários de saúde não colaborarem e se não houver um ambiente propício à informação positiva, vamos ter problemas como aconteceu noutros países", alertou à Lusa o presidente da Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo.

Para Luís Rebelo, esta situação deve-se ao facto de os "estímulos externos aos jovens serem mais poderosos que a informação banal e generalista que existe".

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.