Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Santana responde aos barrosistas

Santana Lopes fez as contas e preparou uma resposta aos barrosistas que se dizem saneados do grupo parlamentar. De 24 só sete apoiaram Menezes.

Dos 24 deputados nomeados pela nova direcção do PSD para cargos parlamentares, apenas sete apoiaram Luís Filipe Menezes para líder do partido.

Foi com esta contabilidade que Pedro Santana Lopes respondeu na reunião do grupo parlamentar do PSD aos barrosistas, que se consideram vitimas de saneamento político na bancada.

José Luís Arnaut não foi à reunião mas José Correia e Miguel Relvas - que tinham anunciado a intenção de ficar calados - acabaram por assumir lá dentro os argumentos que nos últimos dias difundiram em múltiplas declarações a rádios e televisões.

No essencial reafirmaram só ver no seu afastamento razões de natureza política. E Rui Gomes da Silva, um dos braços direitos de Santana Lopes, reconheceu que foram exactamente razões políticas as que estiveram por trás da decisão da nova direcção parlamentar de afastar Arnaut, Relvas e Matos Correia das comissões parlamentares de negócios estrangeiros, poder local e ética.

Santana Lopes pediu que pusesse uma pedra no assunto e que unissem esforços para as batalhas que ai vêm, a começar pelo Orçamento de Estado e assim conseguiu apaziguar os ânimos e evitar mais intervenções sobre o assunto.

À saída Pedro Santana Lopes voltava no entanto à carga, confirmando que o clima com os barrosistas é de paz podre.

"Poucos terão sido tão afastados do partido como eu e nunca me considerei ofendido por isso", afirmou aos jornalistas, insistindo no facto de a esmagadora maioria dos deputados por si nomeados para cargos parlamentares não terem apoiado o novo líder do partido.

Entre os novos coordenadores nomeados pela direcção do PSD para as comissões parlamentares encontram-se vários deputados que apoiaram Marques Mendes contra Luís Filipe Menezes para líder do partido, entre eles Fernando Negrão (Assuntos Constitucionais), José Cesário (Negócios Estrangeiros) e Adão e Silva (Trabalho).

Para a direcção das comissões parlamentares também foram escolhidos alguns ex-mendistas, Montalvão Machado (Assuntos Constitucionais), Regina Bastos (Saúde)  e Dinis Antunes  (Assuntos Europeus).