Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Rússia detém comandante da guerrilha do Cáucaso do Norte

O Serviço Federal de Segurança da Rússia deteve Ali Taziev, um dos comandantes máximos da guerrilha islamita que luta pela separação do Cáucaso do Norte e pela criação de um Emirato Islâmico no Sul da Rússia

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, ex-KGB) anunciou hoje a detenção de Magas, um dos mais conhecidos comandantes da guerrilha separatista no Cáucaso do Norte.

"Hoje, o Serviço Federal de Segurança realizou uma operação especial durante a qual um chefe dos rebeldes do Cáucaso do Norte foi feito prisioneiro, um tal Taziev, conhecido pelo nome de guerra de Magas", declarou Alexandre Bortnikov, chefe do FSB, durante uma conversa com o Presidente Dmitri Medvedev, transmitida pela televisão.

O dirigente russo felicitou o chefe do FSB pela detenção, considerada uma importante vitória das autoridades policiais russas sobre os rebeldes que continuam a realizar operações de grande envergadura, nomeadamente o duplo atentado no metro de Moscovo que fez 40 mortos em finais de Março.

"É um bom resultado. Felicite da minha parte todos os agentes que participaram na operação. Peço-lhe que faça tudo para recolher corretamente o depoimento desse bandido e levar o processo até ao fim", acrescentou Medvedev.

"Taziev deve ser condenado a prisão perpétua"

Ali Taziev, também conhecido pelos nomes de Magas e Akhmad Evloiev, era um dos comandantes máximos da guerrilha islamita que luta pela separação do Cáucaso do Norte em relação à Rússia e pela criação de um Emirato Islâmico no Sul da Rússia.

Taziev era também o dirigente máximo dos revoltosos na Inguchétia, uma das mais instáveis repúblicas do Cáucaso russo.

Segundo Bortnikov, em 2004 Magas organizou, juntamente com o tchetcheno Chamil Bassaev, um ataque contra a cidade inguche de Nazran, explosões em dois autocarros de passageiros na região de Stavropol e os raptos de parentes de Murat Ziazikov, antigo presidente da Inguchétia.

Magas esteve também ligado, no ano passado, ao atentado que feriu gravemente Iunus-Bek Evkurov, atual dirigente inguche.

"Ele não é um comandante, mas um cão raivoso. Qual comandante? É um cão raivoso que destrói o seu povo. Foi detido, por isso há menos um cão", frisou Evkurov, defendendo que líder separatista deve ser condenado a prisão perpétua.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.