Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Quirguistão: Presidente russo pede "rápido" fim do conflito

Dmitri Medvedev informou Rosa Otunbaeva, primeira ministra interina do Governo do Quirguistão, da sua decisão de envio de 150 paraquedistas russos para reforçar a segurança da base militar nos arredores de Bichkek.

O Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, defendeu a necessidade do fim rápido do conflito entre etnias no sul do Quirguistão, informou a porta-voz do Kremlin.

Segundo Natália Timakova, o dirigente russo, numa conversa telefónica hoje realizada com Rosa Otunbaeva, primeira ministra interina do Governo do Quirguistão, o chefe de Estado russo "sublinhou que é necessário restabelecer o mais rapidamente possível a ordem e pôr fim ao conflito entre etnias que está a provocar vítimas, bem como resolver o problema humanitário a isso ligado".

Medvedev informou Otunbaeva da sua decisão de envio de 150 paraquedistas russos para reforçar a segurança da base militar russa nos arredores de Bichkek, capital do Quirguistão.

Segundo os últimos dados oficiais, os confrontos entre quirguizes e uzbeques no sul do Quirguistão, que tiveram início na passada quinta feira, provocaram 104 mortos e mais de mil feridos.

Líderes quirguize e uzbeque acordam início de conversações

Os dirigentes das comunidades quirguize e uzbeque na cidade de Och, no sul do Quirguistão, aceitaram começar conversações com vista ao restabelecimento da paz, informa a agência Ria-Novosti, citando Dmitri Kabak, dirigente da organização não-governamental "Posição Aberta".

Os confrontos entre quirguizes e uzbeques, que tiveram início na quinta feira passada, começaram em Och, mas estenderam-se à região vizinha de Jalal-Abad, tendo provocado cerca de 100 mortos e mais de mil feridos.

"Neste momento discutem-se as medidas para restabelecer a paz", acrescentou Kabak.

O Kremlin confirmou o envio de 150 paraquedistas para a sua base militar em Kant, nos arredores da capital do Quirguistão, para "reforçar a segurança dos edifícios militares russos, bem como dos próprios militares e membros das suas famílias".