Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

PSD vota a favor de revogação de chips

Miguel Relvas anunciou que PSD vai votar a favor da revogação do decreto-lei do Governo que obriga a instalação dos chips nas matrículas dos automóveis. Veja o vídeo no final do texto.

O líder parlamentar do PSD, Miguel Macedo, anunciou hoje que a sua bancada votará favoravelmente os diplomas da oposição para revogar o diploma do Governo que impôs a obrigatoriedade de instalação de chips nas matrículas.  

Com esta votação dos projetos de toda a oposição, o Parlamento vai revogar hoje a obrigatoriedade de instalação de dispositivos eletrónicos de matrícula, impossibilitando, na prática, o início da cobrança de portagens a partir de 1 de julho, como pretende o Governo, nas vias sem custos para os utilizadores do Grande Porto, Litoral Norte e Costa da Prata.

"Hoje vamos votar a favor dos projetos que revogam estes decretos do Governo. É uma matéria de coerência, mas é também uma matéria de necessidade", firmou Miguel Macedo, no debate dos diplomas da oposição, na Assembleia da República.

 

"O Governo não está a ser ponderado nem sensato"

"Não aceitamos que se incendeie, de uma forma imponderada, injustificada e sobretudo injusta, o país, em nome de uma teimosia e de uma arrogância prepotente. Ou há ponderação, ou há sensatez, ou há justiça, ou então não podem contar com o PSD para esta matéria", referiu.

Rejeitando a "obrigatoriedade de instituição do chip nos automóveis", Miguel Macedo considerou que "há outras formas para cobrar portagens".

"Não aceitamos que os cidadãos automobilistas sejam obrigados a andar com o Estado no banco de trás dos automóveis", destacou, recusando ainda o que considerou "a injustiça que este Governo quer fazer, de tratar uns de uma maneira e outros de outra".

O líder parlamentar do PSD lançou ainda um apelo ao Governo e ao PS: "os senhores estão ainda em tempo de salvaguardar uma questão essencial".

"Mas este não é o caminho certo. Estamos abertos a todos os apelos, mas apelos que respeitem princípios essenciais para nós", disse Miguel Macedo.