Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

PS encurta a diferença para o PSD

O Partido Socialista sobe e aproxima-se do PSD, segundo a sondagem da Eurosondagem para o Expresso e SIC. E há mudanças na popularidade dos políticos.

Martim Silva (www.expresso.pt)

Clique na imagem para ver o PDF

Clique na imagem para ver o PDF

Em outubro a diferença era de mais de 10 pontos. No final do ano, desceu para seis. No início de 2012 encurtou para cinco. Agora, em maio, a liderança do PSD nas intenções de voto, revelada pela sondagem da Eurosondagem para o Expresso e SIC, volta a encolher, para os 3,5 pontos percentuais.

Este é um dado adquirido: o PS está a subir de forma sustentada nos últimos meses e o PSD de Passos Coelho a descer na popularidade junto dos portugueses.

Ao mesmo tempo, António José Seguro, tal como os restantes líderes da oposição, vê melhorado o seu saldo de popularidade, por contraponto à queda do primeiro-ministro. Embora Paulo Portas continue a ser o político português com melhor saldo. A "rutura democrática do PS" está a dar frutos.

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso e SIC, de 10 a 15 de maio de 2012. Entrevistas telefónicas realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região - norte (20%), A.M. do Porto (13,2%), centro (30,5%) A.M. de Lisboa (26,6%) e sul (9,7%), num total de 1011 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1222 tentativas de entrevistas e destas 211 (17,3%) não aceitaram colaborar no estudo de opinião. Foram validadas 1011 entrevistas, correspondendo a 82,7% das tentativas realizadas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo.

Desta forma resultou, em termos de sexo, feminino - 50,9%, masculino - 49,1%; e no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos - 16,2%, dos 31 aos 59 - 50,8%, com 60 anos ou mais - 33%. O erro máximo da amostra é de 3,08%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.