Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Procurador mantém investigação ao jogo Porto-Estrela

Pinto Monteiro decidiu que a investigação ao caso das prostitutas é para ir até ao fim. Os advogados dos arguidos queriam manter o processo arquivado

Pinto Monteiro, procurador-geral da República, decidiu quinta-feira manter a reabertura do processo de investigação ao jogo FC Porto - Estrela da Amadora. Os advogados dos arguidos reclamaram da decisão de Maria José Morgado que decidiu reabrir o caso depois de ouvir Carolina Salgado, ex-companheira de Pinto da Costa. Para além do presidente do FC Porto, são arguidos no caso o dirigente Reinaldo Teles, o empresário António Araújo e os árbitros Jacinto Paixão, José Chilrito, Manuel Quadrado, Luís Lameira e Paulo Pereira da Silva.

O jogo, disputado a 24 de Janeiro de 2004, terminou com a vitória dos portistas por 2-0 e não teve grandes casos de arbitragem - só houve dúvidas sobre um fora-de-jogo num dos golos. Antes do jogo o empresário António Araújo telefonou a Pinto da Costa e pediu "fruta para o homem que vai ter consigo à tarde". O presidente respondeu que a "a fruta já foi mandada" e Araújo explicou que queria "café com leite, café e leite". Reinaldo Teles, segundo o Ministério Público, terá recrutado as raparigas que se encontraram depois do jogo com a equipa de arbitragem. Um quinto árbitro, Paulo Silva, é arguido porque foi apanhado numa escuta a dizer: "lembras-te de uma vez a gente acabar no putedo com o Araújo lá no Porto".

O DIAP do Porto decidiu arquivar este caso não só porque não houve erros flagrantes no decorrer do jogo, mas também porque nunca nas conversas telefónicas se fala em prostitutas. O procurador entendeu ainda que não havia um nexo de casualidade entre a noite passada pelos árbitros com as prostitutas e o jogo de futebol.

A procuradora Maria José Morgado decidiu reabrir o processo depois de Carolina Salgado declarar que os favores dos árbitros eram pagos em dinheiro e que as prostitutas eram um complemento. Os arguidos estão indiciados pelos crimes de corrupção desportiva passiva e activa.