Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Portugal e Espanha criam equipa conjunta para investigar ETA

Caberá à Procuradoria Geral da República e à Polícia Judiciária coordenarem as operações com Espanha na criação de uma equipa conjunta anti ETA.  

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment=" /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Tahoma; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:1627421319 -2147483648 8 0 66047 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

As autoridades portuguesas e espanholas estão a criar uma equipa conjunta para investigar alegadas actividades da ETA em Portugal, lembrou hoje o ministro da Justiça, Alberto Martins, acrescentando que o objetivo é criar uma "estrutura operacional". 

O ministro da Justiça, que se deslocou de manhã à Escola da Polícia Judiciária, em Loures, para participar na abertura da reunião internacional do Projeto Nexus, um encontro que juntou especialistas na investigação do terrorismo, explicou que a possibilidade de criar uma equipa de investigação conjunta entre Portugal e Espanha já estava prevista no âmbito das convenções da União Europeia, mas ganhou agora mais força face às notícias recentes que deram conta da presença de elementos da ETA em território nacional. 

Equipa limitada no tempo

"Havia esta necessidade tendo em conta os últimos acontecimentos da ETA verificados em Portugal. No futuro queremos constituir uma estrutura operacional, limitada no tempo, para uma investigação específica", sublinhou.

Alberto Martins explicou ainda que caberá à Procuradoria Geral da República e à Polícia Judiciária coordenar as operações com as autoridades espanholas.    

Por seu turno, o diretor nacional da PJ, Almeida Rodrigues, que também participou no encontro, assegurou que a PJ "tem todos os meios disponíveis para combater o fenómeno do terrorismo e que em relação à ETA estará preparada para dar a resposta adequada". 

Nos últimos meses foram detidos em Portugal três alegados membros da organização separatista basca, que terão tido ligações a uma vivenda em Óbidos onde foi desmantelada, em Fevereiro, uma célula da ETA e onde foram encontrados centenas de quilos de explosivos. 

A ETA é considerada uma organização terrorista pelas autoridades espanholas.   

Cooperação já existia

No âmbito da cooperação policial com Espanha, existia já um grupo destinado a operacionalizar os mecanismos de colaboração e troca de informações em vários domínios, cuja primeira reunião ocorreu em março. 

Nesse dia, o secretário de Estado da Segurança espanhol, António Camacho Vizcaíno, e o secretário geral do Sistema de Segurança Interna de Portugal, Mário Mendes, revelaram que naquela primeira reunião foram criados dois subgrupos de trabalho, um dirigido à luta contra a ETA e o terrorismo islâmico e outro vocacionado para o combate ao crime organizado transnacional, incluindo máfias da antiga Jugoslávia. 

Mário Mendes esclareceu também que até à descoberta da casa de Óbidos onde a ETA guardava explosivos, a Polícia portuguesa e a sua congénere espanhola não dispunham de qualquer "informação minimamente credível" sobre as estruturas dos etarras em Portugal. 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.