Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Ponte Chelas-Barreiro terá recorde mundial

Críticos da Chelas-Barreiro dizem que a nova ponte “esmaga” as colinas da Graça e do Castelo

Luís Miguel Ribeiro

Opositores da proposta do Governo não desarmam: ponte será muito cara.

Se for por diante a nova travessia do Tejo proposta pelo Governo (Chelas-Barreiro), Portugal passará a ter uma ponte com um recorde mundial: o da maior distância entre pilares (vão) para pontes construídas com a técnica usada na Vasco da Gama (ponte atirantada). O vão terá 540 m, enquanto na maior ponte do mundo, a Oresund, que liga a Dinamarca à Suécia, essa distância é de 490m. Os críticos dizem ainda que a solução do Governo custará mais 30 a 40% do que a ligação Beato-Montijo (1,1 milhões de euros).

Estas são algumas das críticas apontadas por José Almada, engenheiro que colaborou no estudo da TIS (empresa de consultadoria que apoiou as teses da CIP para o novo aeroporto). Segundo este técnico, a consultora estudou as possíveis ligações e discorda da solução do Executivo. proposta que será apoiada pelo LNEC, segundo noticiou o 'Jornal de Negócios'.

Também na Lusoponte, a empresa que fez a Vasco da Gama e tem a concessão para todas as travessias na zona de Lisboa, a proposta do Governo não colhe. O presidente da Lusoponte, Ferreira do Amaral, diz que "esta concessionária não tem, nem quer ter, uma posição sobre a matéria". No entanto, o Expresso soube que a opinião existente coincide no essencial com a da TIS. Defende uma ligação apenas ferroviária entre o Beato e Montijo e um túnel entre Algés e a Trafaria, Segundo o Executivo, esta solução de duas pontes é bastante mais cara (2,7 milhões) do que a que propõe, com uma ponte simultaneamente rodo e ferroviária em Chelas (1,7 milhões).

Menos debatida, mas capaz de provocar ainda alguma polémica, é a questão paisagística. Segundo a arquitecta Cristina Castelo Branco, que também colaborou no estudo realizado voluntária e gratuitamente" pela TIS, a ponte Chelas-Barreiro terá um impacte visual no estuário do Tejo muito negativo. "O impacte mais forte é criado pelo conjunto de torres com 200m de altura, muito próximas do Castelo de S. Jorge e da Graça, cuja encosta ficará visualmente esmagada pela ponte", garante a arquitecta.

Nas conclusões da TIS, a ponte Beato-Montijo encurta em 12km a ligação do TGV a Espanha. Contra a Chelas-Barreiro aponta o facto de levar trânsito ao centro de Lisboa. Também na Lusoponte se afirma que o urgente é retirar tráfego da cidade e da 25 de Abril, o que só se conseguirá com uma nova ligação à zona de Almada, o túnel Algés-Trafaria.