Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Polícias manifestam-se esta tarde

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia promove esta tarde uma nova acção de protesto

João Carlos Santos

O sindicato ASPP/PSP promove hoje uma acção de protesto em frente ao local onde decorre a reunião de ministros da Justiça e da Administração Interna da UE.

O sindicato promotor do protesto, a ASPP/PSP, aponta para a presença de 3 500 participantes no "desfile", que decorrerá 17h no Parque das Nações, onde se situa a sede da presidência portuguesa da União Europeia. A acção de protesto foi marcada para o dia em que arranca uma reunião informal de ministros da Justiça e da Administração Interna da União Europeia.

Os ministros não deverão contudo cruzar-se com o "desfile" policial, pois a essa hora devem estar a caminho de uma recepção oferecida na Câmara de Lisboa pelo presidente António Costa, curiosamente o responsável político que em Novembro passado recebeu, enquanto ministro da Administração Interna, o caderno reivindicativo da polícia.

Segundo o sindicato, a manifestação de hoje ocorre devido à falta de resposta a esse caderno reivindicativo, que exige ao Governo recuos nalgumas decisões que os polícias consideram que lhes foram prejudiciais.

Redução de regalias no subsistema de saúde, prolongamento do período de trabalho para atingir a reforma, congelamentos nas promoções e inexistência de um horário de trabalho são algumas das medidas que os polícias querem ver alteradas pelo Governo. O presidente da ASPP/PSP, Paulo Rodrigues, pensa que será difícil concentrar mais de 3 500 manifestantes, já que só os elementos a gozar folga ou férias poderão associar-se ao protesto.

Acontece ainda que a própria reunião informal de ministros implica a mobilização de efectivos policiais, o que diminui mais o universo dos possíveis participantes na manifestação.

Paulo Rodrigues disse que gostaria que os polícias fossem fardados - mas desarmados - para que o protesto não seja confundido com uma acção de qualquer outra classe profissional.

"Não vamos impor que venham ou não fardados. Mas gostaríamos que viessem e estamos convencidos que a maioria virá, embora desarmados, obviamente", disse o líder da ASPP.

Além da ASPP, que convoca a manifestação e reivindica a representação de cerca de metade dos 22 mil efectivos da PSP, apenas outro dos 11 sindicatos daquela polícia, o SPP/PSP, manifestou "verbalmente" intenção de se associar ao desfile, segundo Paulo Rodrigues.

Contudo, anteriormente, o Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) anunciou que também irá participar no protesto, assim como polícias de sindicatos pertencentes à EUROCOP - Confederação Europeia de Polícias, à qual pertence.