Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

PCP diz que terminar com os chumbos é medida "facilitista"

Os comunistas consideram que acabar com os chumbos na escola "não resolve nenhum problema e que desqualifica completamente o ensino".

O PCP considerou hoje que a proposta da ministra da Educação de acabar com os chumbos nas escolas é uma medida "facilitista" e que "desqualifica completamente o ensino", sublinhando que a intenção não resolve nenhum problema.

"O que o nosso sistema de ensino precisa é de aumentar a qualificação, valorizar mais os cursos e não o contrário e, portanto, não estamos de acordo com esta medida, uma medida facilitista que não resolve nenhum problema e que desqualifica completamente o nosso ensino", afirmou hoje o dirigente comunista Jorge Pires.

O responsável reagia assim à entrevista da ministra da Educação, Isabel Alçada, ao Expresso, onde afirma que a fórmula do chumbo "não tem contribuído para a qualidade do sistema".

Outras formas de apoio

Para a governante, "a alternativa é ter outras formas de apoio, que devem ser potenciadas para ajudar os que têm um ritmo diferenciado", acrescentando que pondera alterar as regras de avaliação durante o seu mandato, apesar de pretender um consenso e um debate alargado no setor.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do PCP, em Lisboa, Jorge Pires disse ainda que a proposta visa "resolver o problema da estatística".

"Aumenta-se o número de certificações, mas diminui-se simultaneamente a qualificação dos alunos", sustentou.

"Problema grave" no ensino

Para o PCP, o sistema de ensino português constitui um "problema grave" no país e que "a intenção da ministra da Educação é mais um ensaiar de uma fuga para a frente perante uma situação difícil".

O dirigente comunista lembrou ainda as propostas apresentadas pelo seu partido para "aumentar as qualificações, valorizando o sistema de ensino, nomeadamente, com o aumento das equipas multidisciplinares, a diminuição do número de alunos por turma e um conjunto de apoios no ensino especial".

"Essas sim, são medidas que podiam resolver o problema, mas o Partido Socialista não esteve de acordo com elas e chumbou-as na Assembleia da República", recordou Jorge Pires.