Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Passos Coelho diz ser um péssimo dançarino

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse hoje ser "um péssimo dançarino", lamentando "desiludir as senhoras que gostam de dançar ou outra gente que possa ter outras intenções".

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse hoje ser "um péssimo dançarino", lamentando "desiludir as senhoras que gostam de dançar ou outra gente que possa ter outras intenções".     "Eu sou um péssimo dançarino. É verdade. Lamento desiludir as senhoras que gostam de dançar, ou outra gente que possa ter outras intenções", declarou Pedro Passos Coelho, provocando risos.      O presidente do PSD respondeu desta forma a um dos presentes num almoço promovido pelo American Club, num hotel de Lisboa, que lhe perguntou se já tinha começado a ter lições de tango.     "Normalmente, quando acontece dançar e, portanto, pisar os calos a alguém, é à minha mulher, já muito fora de horas e nem sempre nas melhores condições. Portanto, confesso, não é uma atividade à qual me tencione dedicar", acrescentou Passos Coelho.  

Termos do acordo com o Governo 

Em resposta a uma outra questão, sobre os termos do acordo que fez com o Governo e se este foi escrito, o presidente do PSD disse que "o acordo que foi estabelecido é extremamente simples, está controvertido nas medidas que foram anunciadas, são as medidas que foram anunciadas".     "O PSD comprometeu-se a votar aquelas medidas", enquanto o PS, em contrapartida, se comprometeu a aprovar o projeto social democrata que reforça os meios e competências da unidade de apoio orçamental que funciona junto do Parlamento para a análise à evolução da despesa do Estado e o endividamento e investimento das empresas públicas, acrescentou Passos Coelho.     "O acordo é isto. Não tem mais nada", concluiu o presidente do PSD, referindo ainda que, quando as medidas foram acertadas, "a única medida, do lado da receita, que não estava explícita e quantificada pelo Ministério das Finanças era a receita resultante do agravamento do imposto do selo" e que "tudo o mais estava quantificado".     *** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.