Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Pai de criança envolvida na troca de medicamentos avança com processo

Pai da criança de 18 meses que continua internada devido às consequências de uma troca de medicamentos, no Hospital Garcia de Orta, afirmou que vai avançar com um processo judicial

João Henriques, o pai da criança de 18 meses que continua internada devido às consequências de uma troca de medicamentos, no Hospital Garcia de Orta (Almada) afirmou à Lusa ter contactado a sua advogada para avançar com um processo judicial.     "Já contactei a advogada e vou avançar com um processo porque alguém terá de ser responsabilizado pelo aconteceu, ou a médica ou o hospital Garcia de Orta", disse.     João Henriques referiu também esperar um relatório do acidente, que lhe deverá ser entregue na segunda feira.     A mesma fonte afirmou que o pai da outra criança também avançará com um processo nos tribunais.     A agência Lusa tentou confirmar a informação junto de Samuel Lima, mas não foi possível até momento.  

"Hoje já apresentou melhorias, brincou" 

João Henriques acrescentou que o estado de saúde do filho é "estável".   "Hoje já apresentou melhorias, brincou e interagiu connosco", relatou.   A criança fez análises e será ainda submetida a mais exames, podendo "deixar ainda hoje os Cuidados Intensivos".     Fonte hospitalar informou a Lusa que o corpo clínico do hospital vai reunir-se segunda feira de manhã para reavaliar o estado de saúde das duas crianças.     À Lusa, a mesma fonte afirmou que o estado das duas crianças "continua estável" e que na tarde de segunda feira deverá ser divulgada nova informação clínica à comunicação social.     Quanto à possibilidade avançada de uma das crianças ficar com uma lesão devido ao acidente, a fonte referiu ser "prematuro" avançar com essa informação.

Médica envolvida não foi suspensa 

Sábado, os pais das duas crianças afirmaram que os filhos se encontram estáveis, mas mostram-se preocupados com as eventuais consequências futuras.   No acidente, segundo um dos pais, o produto administrado foi ácido tricloroacético.   A médica envolvida no caso não foi suspensa de funções, apesar de decorrer um inquérito de averiguações interno.    *** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico*** 

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.