Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Onze detidos serão ouvidos esta tarde no Tribunal do Seixal

Segundo a PJ, os 11 detidos "agiam com frieza de ânimo e elevado grau de planeamento e de execução", tendo raptado, agredido e mantido em cativeiro cinco pessoas ligadas ao tráfico de drogas.

Os onze homens detidos pela Polícia Judiciária (PJ) pela presumível autoria de diversos crimes de rapto, ofensas à integridade física qualificada e detenção de arma proibida, vão ser hoje à tarde ouvidos no Tribunal do Seixal.

O director da Direcção Central de Combate ao Banditismo (DCCB), Luís Neves, disse que os 11 indivíduos, a maioria cadastrados por crimes de grande relevo, foram detidos quarta-feira na margem Sul, nomeadamente no Seixal e Barreiro.

De acordo com a PJ, os onze detidos, que "agiam com frieza de ânimo e elevado grau de planeamento e de execução, raptaram cinco homens numa zona muito movimentada do bairro de Alcântara, em Lisboa, em plena hora de ponta, mantendo-os em cativeiro em diversos cárceres privados situados nos arredores de Lisboa".

Luís Neves referiu que os homens mantidos aprisionados durante vários dias e "barbaramente agredidos" estavam ligados ao tráfico de droga e não apresentaram queixa às autoridades.

"A operação policial de ontem é o culminar de uma investigação num meio particularmente difícil, porque estamos a falar de gente ligada ao tráfico de estupefacientes e ao crime violento", sublinhou. O director da DCCB adiantou que outros indivíduos que já se encontram detidos no âmbito de outros crimes violentos também são autores deste caso.

No âmbito da operação, denominada 'Cárcere Privado', a PJ deteve onze homens, com idades compreendidas entre os 25 e os 40 anos, pela presumível autoria de diversos crimes de rapto, ofensas à integridade física qualificada e detenção de arma proibida.

De acordo com a PJ, a investigação, desenvolvida pela Direcção Central de Combate ao Banditismo, foi "morosa" e foram apreendidos ouro, produtos estupefacientes, documentação falsa, viaturas, arma de fogo, munições e matracas, entre outros objectos que se suspeita serem de origem criminosa e que também terão sido usados na prática de crimes.
  • A Polícia Judiciária desenvolveu uma morosa investigação, que culminou na detenção de onze homens considerados criminosos perigosos por presumível autoria de rapto, ofensas à integridade física qualificada e detenção de arma proibida.