Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

O vendedor de mentiras

Mentir é uma arte. A pensar naqueles a quem a natureza não dotou de imaginação e convicção suficientes para efabular de forma credível, o americano Jeff Irwin criou uma empresa sui generis. Ele vende mentiras.

Se tem um caso e a sua esposa está de olho em si, se está desempregado mas precisa que todos pensem que tem o emprego dos seus sonhos, se quer testar o seu namorado para perceber até que ponto ele gosta de si ou se, simplesmente, precisa de receber uma chamada telefónica (supostamente) importante num dado momento, a Alibi Network pode ser-lhe útil.

Esta empresa comercializa mentiras. Sim, mentiras, desculpas, ‘tretas’ e derivados, para todos os que querem mentir com segurança. Isto porque para Jeff Irwin, “o que acaba com os casamentos não é a mentira, mas ser apanhado a mentir”. Para o empresário – que diz que o seu negócio “é ajudar as famílias” (de uma forma pouco comum e com imoralidade q.b., diriam muitos) – “este não é um mercado novo. Nós não criámos o mercado, ele já existia há muito. Nós só estamos a assegurar um serviço necessário”.

Segundo o empreendedor americano, casado, de 43 anos, “as estatísticas revelam que o mercado da mentira tem vindo a sofrer um crescimento exponencial.” Irwin diz que cerca de metade dos casais já deram uma “facadinha” no matrimónio e que “cada vez mais as pessoas vivem uma vida de mentira que não é a sua”. O empresário não tem grandes dilemas morais ou éticos e diz estar apenas a colocar as suas habilidades “ao serviço do que precisam de mentir e não sabem como”.

Por isso, quando estruturou a linha de actuação da sua empresa a abrangência de serviços foi a palavra de ordem. Irwin não ajuda só as infidelidades conjugais, mas também os homens de negócios. A Alibi Network, no seu «call centre» aberto 24 horas por dia, assegura todo o tipo de serviços desde envio de «e-mails» ou chamadas telefónicas de trabalho, programação e compra de bilhetes de avião para encontros amorosos ilícitos, até um sem número de outras opções. Os serviços desta empresa podem até arranjar-lhe uma oportuna entrevista de trabalho fora do país que o obrigará a uma ausência, também oportuna, de vários dias.

O preço varia consoante o álibi necessário. Uma chamada telefónica ou um «e-mail» para despistar a esposa ou o marido custam cerca de 10 dólares, enquanto um álibi para um fim-de-semana longe da família ou para uma questão laboral, podem ir uns quantos dólares além disso.  Para além destes valores, os utilizadores deste serviço pagam uma anuidade de 35 dólares que lhes garante o direito de integrarem como membros a Alibi Network.

Desconhece-se se enquanto marido e com uma experiência tão vasta em mentiras, a esposa de Irwin confia nele. Mas os seus clientes confiam. Num ano de trabalho, a empresa que lidera resolveu os problemas de cerca de 1500 clientes.

O serviço ainda não chegou, pelo menos de forma explícita e legal a Portugal, mas tendo em conta que por cá também se mente, e nem sempre de forma muito original, talvez o ramo das “mentiras e álibis” seja um nicho de mercado interessante no país e uma área de negócio com potencial de investimento para os empreendedores lusos em busca de negócios alternativos.

Irwin esclarece, no entanto, que negócio tem regras. “A Alibi Network recusa alguns serviços como aqueles que impliquem separar casais, arquitectando mentiras a pedido de terceiros. Não difamamos ninguém, o que fazemos é legal e trabalhamos apenas com o que envolva o próprio cliente”, explica. Até porque, como em todos os negócios, neste também há limites.