Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

«O Terceiro Homem»

«O Terceiro Homem» é o espectáculo que a companhia Inestética está a levar a cena no Teatro Maria Matos, em Lisboa.

Inspirado na história de uma mulher que sobreviveu a uma queda da Torre Eiffel e no tema de Laurie Anderson «From the Air», o «Terceiro Homem» é um espectáculo, com forte carga visual e sonora, que a companhia de teatro Inestética está a levar a cena até segunda-feira no Teatro Maria Matos, em Lisboa.

«Paris, anos cinquenta. Numa manhã de Outono, Béatrice Bonnard decide lançar-se da Torre Eifel. O seu corpo, arrastado pelo vento, embate com violência no automóvel de Jean Beaumort». A mensagem é projectada sobre o fundo negro do palco logo no início do espectáculo. Por ironia do destino a mulher acabou por casar-se com o dono do automóvel.

«Esta história, que se tornou famosa e passou a fazer parte da memória colectiva dos franceses, foi o leit motiv para este projecto», refere o autor do texto e da encenação Alexandre Lyra Leite. «O Terceiro Homem» é a última parte da trilogia R.A.M. (Random Acess Memory), sucedendo a «Homem Vazio» e «Homem Absurdo».

A história de Beatrice Bonnard é o elemento mais factual e concreto, «o tema de Laurie Anderson, 'From the Air', a ponte para a vertente mais ficcional e onírica de um espectáculo que fala de queda, queda interior e física», diz ainda o autor.

O cenário é dominado por um negro austero e minimal, com algumas imagens de vídeo projectadas de quando em quando sobre o fundo. As personagens surgem dentro de uma coreografia criada em torno da banda sonora de Afonso Malão. A música de Laurie Anderson nunca chega a ser ouvida (determinada altura as personagens repetem apenas parte da sua letra) surge antes omnipresente em toda a ambiência do espectáculo.

Béatrice Bonnard (Gracinda Nave) aparece com uma personagem misteriosa e enigmática, que se apresenta como «uma coisa em mutação, um lugar vazio onde ninguém mora».

Alheados da sua presença e noutra dimensão, o palco é cruzado pela tripulação da Queen Airways (a queda de um avião dessa companhia na mesma manhã que Béatrice se atirou da Torre Eiffel é o outro facto verídico no qual a peça se inspirou). Num ambiente de sofisticação de um «admirável mundo novo» as hospedeiras repetem movimentos de uma sensualidade e elegância automatizada, que à medida que o espectáculo avança vão se tornando desconexos e apocalípticos

Para além de Gracinda Nave, «O Terceiro Homem» conta com interpretações de Carla Jordão, Eunice Gonçalves Duarte, Inês Jacques, Luís Amarelo, Rui Mourão e Sílvia Lucena. A coreografia é de Catarina Trota. Os figurinos do Atelier Storytailors.