Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

O que pensam antigos ministros dos Negócios Estrangeiros portugueses

A propósito do arranque das eleições primárias no Estados Unidos, o Expresso pediu a antigos ministros dos Negócios Estrangeiros portugueses que fizessem um balanço da Administração Bush e projectassem o que poderá vir a ser o próximo governo norte-americano. Quatro acederam: José Medeiros Ferreira (1976-1977), André Gonçalves Pereira (1981-1982), João de Deus Pinheiro (1987-1992) e António Martins da Cruz (2002-2003).

Margarida Mota

Jornalista

. Medeiros Ferreira

É cedo para um prognóstico ponderado. Neste momento, admito como mais provável uma vitória de Hillary Clinton entre os democratas. A situação no meio republicano é muito mais confusa. Mas grande parte dos resultados eleitorais dependerá da escolha do candidato republicano.

. Gonçalves Pereira

Neste momento, é imprevisível. Nunca houve uma eleição tão aberta. Do lado democrata, há uma clara favorita, a sra. Clinton. Mas ela terá maior facilidade em vencer as primárias do que a eleição. Para Barack Obama é o contrário.

. Deus Pinheiro

Julgo que no campo republicano acabará por ganhar Giuliani. Parece ser aquele que acaba por combinar uma certa proximidade com o cidadão com uma certa aura de herói pós-11 de Setembro. Apesar da sua vida pessoal não ser um modelo para alguns dos mais puritanos americanos, é capaz de ser o candidato mais sólido.Entre os democratas, julgo que Hillary Clinton vai conseguir superar Obama, porque Obama é considerado por muitos como um jovem relativamente inexperiente, o que assusta normalmente os americanos. E a senhora Clinton é exactamente o oposto, denota um traquejo e uma experiência política que dá aos norte-americanos uma certa tranquilidade. Acho que, no final, ela é capaz de ganhar a parada.

. Martins da Cruz

Dado o complexo calendário das eleições primárias até às convenções, afigura-se difícil uma previsão. Aliás, vendo os resultados das primárias no Iowa desde 1972, nem sempre o candidato vencedor foi eleito Presidente dos Estados Unidos. Mas são indicações de tendência que devem ser devidamente consideradas.

. Medeiros Ferreira

As circunstâncias internas e externas ditarão as principais diferenças. Mas nenhum Presidente democrata - também republicano mas sobretudo democrata - poderá iludir a questão da presença militar norte-americana externa e das políticas sociais internas. Caso Hillary Clinton seja eleita, vejo-a relançar os serviços públicos federais nos domínios da educação e da saúde, arrastando atrás de si parte do mundo ocidental, hoje muito orientado para soluções neo-liberais nos domínios sociais.

. Gonçalves Pereira

Muito menores do que se supõe. Nomeadamente, não é possível uma saída rápida e honrosa quer do Iraque, quer do Afeganistão. Nenhuma nova administração, de qualquer partido, cometerá na esfera internacional os erros fatais cometidos pela presente equipa. A Europa terá uma boa oportunidade de recuperar algum peso internacional, como já começa a fazer. No caso do Afeganistão, o erro não foi a invasão, mas o seu abandono, para se concentrar no Iraque, o que permitiu a recuperação dos talibãs, deixando a guerra entregue a uma NATO que não tem para tanto nem capacidade nem desejo. Escrevi, desde o início, contra a guerra do Iraque, ao contrário de tantos...

. Deus Pinheiro

Seja qual for o governo, mesmo republicano, haverá diferenças substanciais. A começar pela situação internacional, na medida em que se considera que esta administração Bush tratou muito mal a cena internacional e não apenas no que respeita ao Iraque. Veja-se mais recentemente a questão do Irão em que a CIA vem dizer que afinal os iranianos não têm a possibilidade de vir a ter a arma nuclear nem estão a trabalhar para isso no curto prazo. Qualquer administração que venha irá tentar cortar com a ideia de que os que não são nossos amigos têm de ser abatidos e tentar entrar num diálogo muito intenso sobretudo com a Rússia, a Índia e a China - três parceiros incontornáveis na cena internacional. Em relação à Europa, estou convencido que se acelerará o chamado espaço económico atlântico, para haver um comércio livre e total entre a América do Norte e a União Europeia.

. Martins da Cruz

Se o candidato democrata vencer as eleições em 2008, antevejo, na tradição daquele partido, uma maior intervenção dos Estados Unidos na política internacional. O novo Presidente fixará, provavelmente, um calendário para a retirada, porventura parcial, das forças norte-americanas do Iraque, sem pôr em causa, ou até reforçando, a presença militar em outros países da região. Uma administração democrata tenderá a olhar com mais atenção para a América Latina, prosseguirá a construção de um Comando Africano e terá um papel activo no Médio-Oriente, justificado até pelo 'voto judeu' nos Estados Unidos, que é tradicionalmente democrata. A luta contra o terrorismo continuará prioritária, bem como a defesa dos interesses norte-americanos a nível global, incluindo as relações com a Rússia. Haverá mais diálogo, mas colocar-se-á, uma vez mais, o problema do uso do poder. No plano interno, a actual administração deslocou o debate para soluções conservadoras, e as chamadas questões da sociedade tenderão a ser vistas nesse prisma. As perspectivas de recessão e os cenários económicos negativos condicionarão as propostas sociais. Para Portugal, será indiferente a cor política do novo Presidente. Tratando-se do nosso principal aliado, de quem depende o essencial da nossa defesa e segurança, as relações com Washington não são susceptíveis de variar conforme a orientação política da Casa Branca. Como demonstrou Cavaco Silva nos dez anos em que foi primeiro-ministro.

. Medeiros Ferreira

Muito negativamente, sobretudo pelos resultados. Deixou o seu país envolver-se numa guerra de usura e, manifestamente, não soube sair dela. O muro fronteiriço com o México assinala os limites da sua ideia de globalização e de quase integração do continente americano. Em termos portugueses, a sua administração também não deixa saudades. Utilizou Portugal sem escrúpulos nos Açores e foi ingrato ao vetar uma lei que permitiria programas de ensino da língua portuguesa em estados da costa leste, dando este ensino, aliás, como um exemplo de gastos inúteis. Era uma 'afronta desnecessária para um aliado tão constante como é Portugal. Também se lamenta que nunca tenha convidado um chefe de Estado português, durante estes oito anos, a visitá-lo em Washington.

. Gonçalves Pereira

Aspectos positivos haverá decerto mas são esmagados pelos negativos. A aceitação por este Presidente de uma ideologia neo-conservadora, que decerto não compreendeu, marca para a história esta presidência.

. Deus Pinheiro

Foram péssimos. Sinceramente, foram uma grande decepção porque o pai, apesar de tudo, tinha sido um líder com uma certa capacidade de diálogo, que entendia como o mundo funcionava. O filho, quanto a mim, foi uma catástrofe nessa matéria. Mesmo no plano económico, em que normalmente os republicanos costumam ter um bom currículo e uma boa performance, foi um falhanço, o que aliás se vê pelo valor do dólar relativamente ao euro, por exemplo.

. Martins da Cruz

Ainda é cedo para fazer o balanço da Administração de George W. Bush. Tendo tomado a decisão de avançar militarmente no Iraque, apoiada no Congresso pela esmagadora maioria dos democratas e por 21 dos 27 países da União Europeia, não soube depois avaliar soluções civis e militares adequadas. Será julgado por isso, apesar de ter sido o Presidente reeleito com a maior maioria de sempre.

. Medeiros Ferreira

Como um Presidente que fez muito mal aos Estados Unidos.

. Gonçalves Pereira

Como o maior impulsionador do aumento do fundamentalismo islâmico.

. Deus Pinheiro

Como um parêntesis na história norte-americana.

. Martins da Cruz

A história não sei. Os comentadores, sobretudo os europeus, tenderão a julgar Bush de acordo com a sua própria opção política. Incluindo os portugueses.

Artigo publicado na edição do Expresso de 5 de Janeiro de 2008, Primeiro Caderno, página 37.