Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

O bom humor de Gago

Findo «um dia chato», em que a pressão da Imprensa recaiu sobre um acontecimento «secundário face à importância da IV Convenção da EUA», que reune até sábado, em Lisboa, os grandes decisores do futuro do Ensino Superior na Europa e no mundo depois de 2010, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior conquistou as boas graças dos 800 participantes no evento com um bom humor muito apurado

Depois de ter, ipsis verbis, «despachado em 45 minutos» a conferência de imprensa sobre o caso Universidade Independente, que pautou a agenda do dia, Mariano Gago chegou com pontualidade britânica à recepção que oferecia aos participantes da IV Convenção da European Universities Association (EUA), que hoje se iniciou em Lisboa e que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior classificou, em conversa com o Expresso, como «o mais importante acontecimento do ano em Portugal».

Perante os mais de 800 participantes da convenção, entre os quais o comissário europeu para a Educação, Ján Figel, o ministro da Educação da China, Zhang Xinsheng, ou o presidente do Conselho Americano da Educação, David Ward, Mariano Gago, já sem a pressão da Comunicação Social, completamente arredada do jantar que ofereceu na Tapada da Ajuda, deu largas ao seu sentido de humor para responder às provocações divertidas a ele dirigidas por Georg Winckler, presidente da EUA. «O aumento da produtividade e os bons resultados que o investimento tem necessariamente que conseguir opter fazem parte da estratégia da Agenda de Lisboa, que tem também como directriz maior investir mais e melhor. Percebo, por isso, porque nos convidou para este jantar fantástico, que encaramos como parte integrante dessa Agenda.» Assim abriu a recepção, em tom de agradecimento, Georg Winckler. A resposta trouxe a descontracção para a sala. «Este jantar é certamente parte da Agenda de Lisboa. Mas lamento desapontá-lo. Com ele não pretendo aumentar a vossa produtividade. A minha intenção é diminuir a produção dos trabalhos de amanhã. Sobretudo porque acabo de receber informações do Instituto de Metereologia que indicam que o tempo está a mudar. É possível que chova, o que vos obrigará a voltar quando estiver sol. Não venham é no Verão que estamos carregados de turistas!», começou por dizer o ministro português. «De qualquer forma, como o vosso programa para amanhã tem tantas conferências e tantas reuniões de grupos de trabalho agendadas, será impossível cumpri-lo. A minha proposta é pois que saiam para a rua, vão falar com as pessoas e voltem para o jantar na Estufa Fria. O investimento da Agenda de Lisboa existe, de facto, mas concretiza-se numa aposta na não produção de Vossas Excelências!», concluiu.

O bom ambiente entre os grandes protagonistas da maior reforma do Ensino Superior na Europa, o Processo de Bolonha, foi aproveitado, no entanto, para a criação de novos pontos de trabalho, para a aproximação de grupos com interesses comuns e para a troca de contactos. E, nesse campo, Mariano Gago também fez questão de participar, multiplicando-se em conversas, trocas de impressões e agendamentos de reuniões futuras.