Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

O aumento do preço da água "é inevitável"

Quem o diz é a ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, que hoje deixou claro: "o preço da água ao consumidor vai ter que subir".

A ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, afirmou hoje em Oliveira do Hospital que "o preço da água ao consumidor vai ter que subir", um aumento que considera "inevitável e necessário".

Dulce Pássaro encerrou a quarta edição da Conferencia "Aquanostra - Água e Ambiente uma Cumplicidade Conveniente", promovida pelos Clubes Rotários da Beira Serra que decorreu hoje em Oliveira do Hospital. 

A ministra do Ambiente referiu que, "perante a lei, os municípios podem sempre subsidiar o preço da água", sendo que a Constituição da República assim o determina, mas considera que "esta não será uma boa prática". 

"Este é um tema muito polémico", disse a ministra, adiantando que a Entidade Reguladora das Águas e Resíduos "já fez uma recomendação para calcular o preço com base num modelo único". 

Sobre este tema, Dulce Pássaro, alertou os municípios para que "acautelem situações de especial dificuldade económica e também as famílias numerosas", estabelecendo tarifas especiais para estas situações. 

Água "está barata"

Francisco Ferreira, da Quercus, também orador neste colóquio, corrobora a opinião da ministra, afirmando que "é necessário explicar aos portugueses que a água que consumimos está barata" e que esta situação leva ao desperdício.

João Pedro Rodrigues, presidente da empresa Águas do Zêzere e Côa (AZC), outro dos oradores, salientou a necessidade de serem criados "mecanismos de solidariedade em relação ao interior do país" e exemplificou com o custo do metro cúbico de água em Lisboa (1,7 euros) comparado com o custo na região abrangida por esta empresa que "ronda os 4,7 euros". 

João Pedro Rodrigues disse, no entanto, que o preço de produção de água pela AZC "irá baixar por razões técnicas e de diminuição do investimento em infraestruturas". 

Dulce Pássaro abordou também o Plano Nacional de Construção de Barragens (PNCB), afirmando que "existe algum consenso sobre ele" e que é "na globalidade muito positivo para o país". 

"O PNCB tem alguns impactes ambientais, mas estes serão atenuados por mecanismos de compensação", afirmou a ministra. 

Dulce Pássaro referiu também a importância do novo Polis para os rios que "terá uma abordagem integrada, replicando o que foi feito para o Polis das cidades" e que, segundo afirmou, "irá permitir a requalificação de muitos cursos de água em todo o país". 

Questionada pela Lusa sobre o impacto no seu ministério das medidas de austeridade recentemente anunciadas pelo Governo, Dulce Pássaro afirmou que estas "não vão ter grande impacto, pois a maioria dos projetos são prioritários e são sobretudo financiados pelo Quadro de Referencia Estratégica Nacional".

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.