Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Munique aqui vamos nós!

Adeus Marienfeld! Munique aqui vamos nós! A selecção parte para mais uma batalha deixando para trás o seu porto de abrigo.

A SELECÇÃO nacional de futebol realizou esta tarde o seu último treino naquele que foi o seu quartel-general durante o último mês. A equipa chegou dia 4 de Junho a Marienfeld e parte amanhã rumo a Munique, onde disputará no dia seguinte o penúltimo jogo neste Mundial-2006, com a França, em busca do bilhete que a levará a Berlim (se vencer) ou a Estugarda (em caso de derrota).

Na derradeira conferência de imprensa compareceram Miguel e Hélder Postiga, os quais deram conta da ambição com que o grupo de jogadores, uma vez atingidas as meias-finais, vai lutar pelo acesso ao encontro mais desejado de todo o torneio. E uma vez decorrida a habitual meia-hora de contacto com os jornalistas, enquanto estes faziam o seu trabalho e os jogadores começavam a trabalhar à porta fechada, na sala de imprensa iniciou-se o desmantelar da estrutura de apoio com a retirada da publicidade, microfones, cadeiras, etc.

O dia de amanhã promete ser, pelo menos nos tempos mais próximos, o último de alguma agitação em Marienfeld. Admite-se que muitos portugueses da comunidade local compareçam para o adeus à equipa – que fará de avião a viagem até Munique, a meio da manh㠖, e depois desse momento, aos poucos, a pacata povoação do norte da Vestefália regressará à tranquilidade que a caracteriza e que perdeu no derradeiro mês.

Um adversário «poderoso»

Quanto ao teor das declarações ontem proferidas na sala de imprensa por Miguel e Postiga, sobretudo o primeiro, são o melhor sinal da força e entusiasmo com que os jogadores estão a encarar a eliminatória com a França.

Apesar de considerar o adversário «poderoso», o defesa lateral reforçou sempre a sua convicção numa vitória lusa. «Estamos todos motivados, preparados e apenas pensamos na vitória. Vamos querer ganhar, apesar de todo o respeito que a França nos merece», disse, ideia mais tarde por si repetida por diversas vezes, com palavras idênticas.

Miguel considera que a França «não é só Zidane», embora reconheça que o jogador foi absolutamente decisivo nos dois confrontos anteriores e nas eliminações da Espanha e do Brasil. «Só espero que ele não repita a dose connosco e que tenha um dia mau na quarta-feira», desejou.

Confrontado com o desgaste físico a que a selecção nacional foi sujeita no confronto com a Inglaterra (meia-hora suplementar de jogo, o que não aconteceu com os gauleses), o jogador sublinhou que «com a motivação que temos e dado que vamos disputar uma meia-final, consegue-se ultrapassar tudo».

Muito mais falador que o avançado portista, Miguel teve ainda uma afirmação curiosa quando foi convidado a revelar qual era para si o jogador-revelação deste Mundial. O nome foi sugerido por Postiga mas a justificação coube ao defesa do Valência: «É o Figo! Com 33 anos, correr o que ele corre e jogar o que joga... Só pode ser o Figo!», sustentou.